Pensando en un feminismo decolonial indígena Apinajé

Pensando en un feminismo decolonial indígena Apinajé

Autores

Palavras-chave:

Atuações políticas; Feminismo decolonial; Mulheres indígenas

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar as proximidades do feminismo decolonial com o movimento político das mulheres indígenas Apinajé, elucidando práticas ancestrais e aliança política. O fato observado é a inserção das mulheres na esfera política, assim como em outros espaços, protagonizados por lutas, pronunciamentos e articulações nas pautas territoriais e nas mobilizações dos movimentos indígenas no âmbito nacional. Concomitante a essas lutas, coletivos de mulheres indígenas, brasileiros e latinos, vêm construindo lutas versadas pela ótica do feminismo decolonial, pautando corpo-território e territorialidades que se dissociam do feminismo ocidental. A partir disso, observou-se que o movimento das mulheres Apinajé se assemelha ao feminismo decolonial por romper com o viés eurocêntrico e lutar pelo bem viver da comunidade e o fortalecimento das alianças femininas.

Palavras-chave: Atuações políticas; Feminismo decolonial; Mulheres indígenas.

 

Resumen

Este artículo tiene como objetivo presentar la cercanía del feminismo decolonial con el movimiento político de las mujeres indígenas Apinajé, elucidando prácticas ancestrales y alianza política. El hecho observado es la inserción de las mujeres en la esfera política, así como en otros espacios, protagonizados por luchas, pronunciamientos y articulaciones en las agendas territoriales y en las movilizaciones de los movimientos indígenas a nivel nacional. Concomitante a estas luchas, colectivos de mujeres indígenas brasileñas y latinoamericanas vienen construyendo luchas desde la perspectiva del feminismo decolonial, centrándose en cuerpo-territorio y territorialidades que disocian del feminismo occidental. A partir de esto, se observó que el movimiento de las mujeres Apinajé se asemeja al feminismo decolonial en la medida en que rompe con el sesgo eurocéntrico y luchar por el buen vivir de la comunidad y el fortalecimiento de las alianzas femeninas.

Palabras clave: Acciones políticas; Feminismo decolonial; Mujeres indígenas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Alves Torres, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) - campus de Tocantinópolis, complementação em Pedagogia pela Faculdade Integrada de Brasília (FABRAS) e Mestrado em Estudos de Cultura e Território (UFT) - Araguaína-TO. Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Membro do grupo de estudo "Mariposas: minorias sociais, resistências e práticas de transformação" e do Núcleo de Etnologia Ameríndia (NETA). Possui experiência em educação intercultural indígena, sociologia urbana com ênfase em contatos interétnicos, pesquisando a etnia Apinajé situada no extremo norte do Tocantins. Email: carinatorres123alves@gmail.com

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-9646-1930

Marília Claudia Favreto Sinãni, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Mestre em Educação (Bolsista CAPES) pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas. Possui graduação em Artes Visuais - Licenciatura pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Técnica em Administração pela ETEC Pedro Ferreira Alves. Tem experiência na área de Educação e Artes Visuais, atuando nos seguintes campos temáticos: ensino de artes visuais; decolonialidade; emancipação sensível; educação estética e libertação; criatividade; estudos culturais e a história da arte numa perspectiva descolonial.

E-mail: profmariliasinani@gmail.com   Orcid: https://orcid.org/0000-0001-5135-9484

Referências

ANZALDÚA, Glória. Falando em outras línguas: carta às mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, Floria-nópolis, ano 8, jan./jun. 2000.

BANIWA, Braulina; KAINGANG, Joziléia; MANDULÃO, Giovana. Mulheres: corpos-territórios indígenas em resistência. Org. Kassiane Schwingel. Porto Alegre: Fundação Luterana de Diaconia: Conselho de Missão entre Povos Indígenas, 2023. 32 p.

BARTRA, Eli 2001. Acerca de la investigação y la investigação feminista. In: Blazquez Graf, Norma, Bartra, Eli -Investigación feminista: epistemología, metodología y representaciones sociales. México D. F 2010

BLAZQUEZ, Graf 2002. Epistemologia feminista: temas centrales. In: Blazquez Graf, Norma, Bartra, Eli -Investigación feminista: epistemología, metodología y representaciones sociales. México D. F 2010.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Decolonizar la universidad: la hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifícia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. p. 79-91.

COLLINS, Patricia Hill. Bem mais que ideias: a interseccionalidade como teoria social crítica. São Paulo: Boitempo, 2022. Capítulo 1: Interseccionalidade como investigação crítica. (pp.37-124).

COSTA, Maria da Graça. Agroecologia, (ec0)feminismos e “bem viver”: emergências decoloniais no movimento ambientalista brasileiro. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 336-350.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas e partir do feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 121-138.

DULCI, T. M. S.; MALHEIROS, M. R.; Ortiz, C. . Entrevista: Julieta Paredes: mulheres indígenas, descolonização do feminismo e políticas do nomear. Julieta Paredes: mulheres indígenas, descolonização do feminismo e políticas do nomear (entrevista a Tereza Spyer, Mariana Malheiros e Maria Camila Or, v. 3, p. 22-42, 2019.

ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. Etnografia: saberes e práticas. Iluminuras, Porto Alegre, v. 9, n. 21, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/9301. Acesso em: 18 jan. 2024.

GONZALVEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GROSFOGUEL, Ramón. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno decolonial desde Aimé Césaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago e Ramon GROSFOGUEL (Orgs.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

LUGONES, Maria, 2008. Colonialidad y género. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa; CORREAL, Diana Gómez; MUÑOZ, Karina Ochoa (Eds.). Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala Popayán: Universidad del Cauca, 2014.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, v. 3, n. 22, p. 935-952, set./dez. 2014.

MILHOMEM, Sandra Rodriges da Silva. Ser Mulher indígena: Território, Identidade e protagonismo. Dissertação (Mestrado Acadêmico)- Universidade Federal do Tocantins – Campus Universitário de Araguaína-Curso de PósGraduação ( Mestrado) em Estudo de Cultura e Território, Araguaína, 2021.

Downloads

Publicado

02/07/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 32
  • pdf downloads: 18

Como Citar

ALVES TORRES, C.; CLAUDIA FAVRETO SINÃNI, M. Pensando en un feminismo decolonial indígena Apinajé: Pensando en un feminismo decolonial indígena Apinajé. Revista Cocar, [S. l.], v. 20, n. 38, 2024. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/8347. Acesso em: 13 jul. 2024.