(Co)Construindo ‘‘certas certezas’’: A inquietação como pilar da prática docente

(Co)Constructing ‘‘certain certainties’’: Restlessness as a pillar of teaching practice

Autores

Palavras-chave:

certas certezas, educação reflexiva, Prática Exploratória

Resumo

Neste artigo, pretendo refletir sobre a importância da (co)construção de ‘‘certas certezas’’ em/sobre educação, buscando um afastamento de ideias absolutas e reducionistas a respeito das práticas de professores e alunos. A pesquisa, de viés teórico e reflexivo, ancora-se na seguinte questão: ‘‘como a prática docente pode ser mais agentiva e flexível?’’. Diante dessa pergunta e a partir de aparatos teóricos, como a Prática Exploratória, julgo fundamental pensar na consolidação de noções tradicionais e hoje ultrapassadas de educação, a partir de uma visão crítica e decolonial. Assim, os entendimentos gerados neste trabalho apontam para a inquietação como um pilar da prática docente, cabendo ao professor o lugar de não relaxamento frente as questões que surgem dentro e fora de sala de aula, afetando, de alguma forma, os participantes desse processo de ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Certas certezas; educação reflexiva; Prática Exploratória.

 

Abstract

In this article, I intend to reflect on the importance of (co)construction of ‘‘certain certainties’’ in/about education, seeking to move away from absolute and reductionist ideas regarding the practices of teachers and students. The research, with a theoretical and reflective bias, is anchored in the following question: ‘‘how can teaching practice be more agentive and flexible?’’. Faced with this question and based on theoretical devices, such as Exploratory Practice, I believe it is essential to think about the consolidation of traditional and now outdated notions of education, from a critical and decolonial view. Thus, the understandings generated in this work point to restlessness as a pillar of teaching practice, leaving the teacher with the role of non-relaxation in the face of issues that arise inside and outside the classroom, affecting, in some way, the participants of this learning process.

Key words: Certain certainties; reflexive education; Exploratory Practice.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Azevedo Abou Mourad, PUC-Rio

Mestrando em Estudos da Linguagem pela PUC-Rio e pós-graduando em Docência pelo IFMG. É licenciado em Letras – Português e Literaturas pela PUC-Rio, onde trabalha como analista da Pastoral Universitária Anchieta, atuando na coordenação do Pré-Vestibular Comunitário da universidade. E-mail: vitorazevedo@puc-rio.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3848-3971.

Referências

ALLWRIGHT, D., BAILEY, K. M. Focus on the Language Classroom: An Introduction to Classroom Research for Language Teachers, Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

BRANDÃO, C. R. A pesquisa participante e a participação da pesquisa: Um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina. In: BRANDÃO, C. R; STRECK, D. R. (Orgs). Pesquisa Participante: A Partilha do Saber. Aparecida, SP: Ideias e Letra, 2006. p. 21-54.

DEMO, P. Saber Pensar. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: ______ (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41.

FABRÍCIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de ‘‘desaprendizagem’’: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 45-65.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 74 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FREIRE, P.; FAUNDEZ, A. Por uma Pedagogia da Pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

HANKS, J. Exploratory Practice in Language Teaching: Puzzling About Principles and Practices, Basingstoke, UK: Palgrave Macmillan, 2017.

hooks, b. Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

INQUIETAÇÃO. Dicionário Michaelis Online. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/inquieta%C3%A7%C3%A3o/. Acesso em: 16 jul. 2022.

LIBERALI, F. C. Por um sujeito livre que não teme; faz escolhas. In SCHETTINI, R. H. et. al. (Org.). Vygotsky: Uma revisita no início do século XX. São Paulo: Andros, 2009. p. 233-254.

MILLER, I. K.; CUNHA, M. I. A. Exploratory Practice: Integrating Research into Regular Pedagogic Activities. In: WALSH, S.; MANN, S. (Org.). Routledge Handbook of English Language Teacher Education. Oxfordshire: Taylor & Francis, Routledge, v. 1, 2019. p. 500-526.

Downloads

Publicado

22/01/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 185
  • pdf downloads: 214

Como Citar

AZEVEDO ABOU MOURAD, V. (Co)Construindo ‘‘certas certezas’’: A inquietação como pilar da prática docente: (Co)Constructing ‘‘certain certainties’’: Restlessness as a pillar of teaching practice. Revista Cocar, [S. l.], v. 20, n. 38, 2024. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/7358. Acesso em: 12 jul. 2024.