Alunos indígenas em uma escola não indígena maranhense: possibilidades e desafios

Autores

  • Neusani Oliveira Ives-Felix neusanives2@gmail.com
    UFMA
  • Luiza Nakayama lunaka@ufpa.br
    UFPA
  • José Valdenilson da Silva Felix-Ives walldenilson@gmail.com
    UFMA

Resumo

Objetivamos analisar as bases curriculares da prática pedagógica na Escola Municipal X (EMX), no intuito de verificar: como a diversidade é expressa nos documentos oficiais e na prática docente desta escola não indígena urbana maranhense e como os alunos Tentehar se percebem na EMX, na medida em que as escolas brasileiras têm o desafio de trabalhar em uma perspectiva de respeito e de inclusão da diversidade. A pesquisa foi de abordagem qualitativa e utilizamos documentos oficiais da escola, questionários aberto e entrevistas livres, como instrumentos de coleta de dados. A rotina escolar é organizada de forma política e pedagógica em bases homogeneizantes e eurocentradas; os indígenas Tentehar se sentem desmotivados e marginalizados, sofrendo com o preconceito e com a barreira linguística, apontando que a diversidade étnica Tentehar é silenciada e a EMX é omissa, nesse aspecto.

Palavras-chave: Educação escolar. Cultura e etnicidade. Tentehar.

Indigenous students in a non-indigenous maranhense school: possibilities and challenges

Abstract

We aim to analyze the curricular bases of the pedagogical practice in Municipal School X (EMX), in order to verify: How is diversity expressed in the official documents and in the teaching practice of this non - indigenous urban school in Maranhão? And how do the Tentehar students get noticed at EMX? To the extent that Brazilian schools have the challenge of working in a perspective of respect and inclusion of diversity. The research was qualitative approach and we used official school documents, open questionnaires and free interviews, as data collection instruments. The school routine is organized in a political and pedagogical way on a homogenizing and eurocentric basis; the Tentehar indigenous people feel unmotivated and marginalized, suffering from prejudice and the linguistic barrier, pointing out that Tentehar ethnic diversity is silenced and EMX is silent in this regard.

Keywords: Schooling. Culture and ethnicity. Tentehar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neusani Oliveira Ives-Felix, UFMA

Professora efetiva da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Especialista em Educação, Pobreza e Desigualdade Social (UFMA); Mestre em Educação e Doutoranda em Antropologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail: neusanives2@gmail.com

Luiza Nakayama, UFPA

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal do Pará (UFPA), na linha Educação e Povos Indígenas, Doutora em Genética Bioquímica e Molecular. Chefe do LABIO - Laboratório de Biologia de Organismos Aquáticos, Coordenadora da Sala Verde Pororoca: espaço socioambiental Paulo Freire."E-mail: lunaka@ufpa.br

José Valdenilson da Silva Felix-Ives, UFMA

Assistente em Administração da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Especialista em Gestão Pública (UFMA). E-mail: walldenilson@gmail.com

Downloads

Publicado

05/11/2018
Métricas
  • Visualizações do Artigo 190
  • PDF downloads: 188

Como Citar

IVES-FELIX, N. O.; NAKAYAMA, L.; FELIX-IVES, J. V. da S. Alunos indígenas em uma escola não indígena maranhense: possibilidades e desafios. Revista Cocar, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 643–664, 2018. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/1964. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos