Colonialidade do saber e mal-estar acadêmico: práticas dissidentes e tensões sociais de estudantes indígenas em uma universidade da Amazônia brasileira

Colonialidad del saber y malestar académico: prácticas disidentes y tensiones sociales de estudiantes indígenas en una universidad de la Amazonía brasileña

Autores

  • Raimundo Nonato de Pádua Câncio nonatocancio@hotmail.com
    Universidade Federal do Pará

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar as práticas dissidentes e as tensões sociais de estudantes indígenas de uma Universidade pública localizada na Amazônia brasileira, de modo a verificar o mal-estar acadêmico decorrente da colonialidade do saber que tende a subverter as formas de produção conhecimento. Metodologicamente, foi realizado um estudo de natureza qualitativa, apresentando como método a pesquisa bibliográfica e de campo, esta última efetivada por meio de entrevistas semiestruturadas com cinco estudantes indígenas. No plano teórico, a análise dos dados faz aproximações com a teoria crítica decolonial. Os resultados mostram que ainda que a instituição tenha possibilitado a eles o ingresso na Universidade pública, a organização e a condução do processo educativo têm ajudado a reforçar mecanismos de exclusão social, ancorados num determinado padrão de ser e saber.

Palavras-chave: Estudantes indígenas; Colonialidade do saber; Universidade.

 

Resumen

El objetivo de este estudio es analizar las prácticas disidentes y las tensiones sociales de los estudiantes indígenas de una Universidad pública ubicada en la Amazonía brasileña, con el fin de verificar el malestar académico resultante de la colonialidad del saber que tiende a subvertir las formas de producción del saber. Metodológicamente, se realizó un estudio cualitativo, presentando como método la investigación bibliográfica y de campo, esta última realizada a través de entrevistas semiestructuradas a cinco estudiantes indígenas. A nivel teórico, el análisis de datos hace aproximaciones con la teoría crítica decolonial. Los resultados muestran que si bien la institución les ha permitido ingresar a la universidad pública, la organización y conducción del proceso educativo ha ayudado a reforzar mecanismos de exclusión social, anclados en un determinado patrón de ser y saber.

Palabras clave: Estudiantes indígenas; Colonialidad del saber; Universidad.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raimundo Nonato de Pádua Câncio, Universidade Federal do Pará

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Pará. Docente do Programa de Pós-Graduação em Formação Docente em Práticas Educativas, da Universidade Federal do Maranhão (PPGFOPRED/UFMA), e do Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura, da Universidade Federal do Norte do Tocantins (PPGLLIT/UFNT).

Orcid: http://orcid.org/0000-0002-4791-0269   E-mail: nonato.cancio@uft.edu.br

 

Downloads

Publicado

06/06/2023
Métricas
  • Visualizações do Artigo 97
  • pdf downloads: 116

Como Citar

CÂNCIO, R. N. de P. Colonialidade do saber e mal-estar acadêmico: práticas dissidentes e tensões sociais de estudantes indígenas em uma universidade da Amazônia brasileira: Colonialidad del saber y malestar académico: prácticas disidentes y tensiones sociales de estudiantes indígenas en una universidad de la Amazonía brasileña. Revista Cocar, [S. l.], v. 18, n. 36, 2023. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/6676. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)