A colonialidade em movimento: uma reflexão sobre o fechamento de escolas do campo no município de Cristinápolis – Sergipe, Brasil

Colonialidad en movimiento: una reflexión sobre el cierre de escuelas rurales en el municipio de Cristinápolis – Sergipe, Brasil

Autores

Palavras-chave:

Educação do Campo, Giro Decolonial, Filosofia da Libertação

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar reflexões decorrentes da pesquisa que intencionou compreender os sentidos e significados do fechamento de escolas do campo como esquecimento do outro desde um giro decolonial e da filosofia da libertação em comunidades camponesas de Cristinápolis – Sergipe, Brasil. O estudo realizado nos possibilitou operar com os conceitos de colonialismo e colonialidade como mobilizadores da análise. Para tanto, nos ancoramos na Filosofia da Libertação proposta por Enrique Dussel, que nasce na América Latina por volta dos anos 70, rompendo com padrões eurocentrados na escuta dos sentidos e significados provocados pela colonização instaurada como um processo opressor, de encobrimento do outro, não europeu, em uma investida que culminou no controle e violência colonizadora das alteridades e que se perpetua, ainda que sob outras roupagens, no tempo presente.

Palavras-chave: Educação do Campo; Giro Decolonial; Filosofia da Libertação.

 

Resumen

Este artículo tiene como objetivo presentar reflexiones resultantes de una investigación que tuvo como objetivo comprender los sentidos y significados del cierre de escuelas rurales como olvido del otro desde un giro decolonial y la filosofía de la liberación en comunidades campesinas de Cristinápolis – Sergipe, Brasil. El estudio realizado permitió operar con los conceptos de colonialismo y colonialidad como movilizadores del análisis. Para ello, nos anclamos en la Filosofía de la Liberación propuesta por Enrique Dussel, quien nació en América Latina alrededor de los años 70, rompiendo con patrones eurocéntricos en la escucha de los sentidos y significados provocados por la colonización establecida como un proceso opresivo, de encubrimiento del otro, no europeo, en una embestida que culminó en el control y la violencia colonizadora de la alteridad y que se perpetúa, aunque bajo otras formas, en la actualidad.

Palabras clave: Educación Rural; Giro decolonial; Filosofía de la Liberación.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Santos de Jesus, Secretaria Municipal de Educação de Cristinápolis-SE.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestra em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora na Rede Municipal de Cristinápolis-SE. Participa do Grupo de Pesquisa em Educação, História e Interculturalidade/UFS/CNPq.

E-mail: suitsang@hotmail.com; Orcid: https://orcid.org/0000-0002-1600-1767.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9148811363065122;

 

Marizete Lucini, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos ( UNISINOS). Licenciada em História pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Realizou estágio pós-doutoral na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe e do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/Núcleo UFS). Docente do Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe. Professora Visitante na Universidade de Rovuma, Moçambique. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação, História e Interculturalidade – GPEHI/UFS/CNPq.

E-mail: marizete@academico.ufs.br;  Orcid: https://orcid.org/0000-0003-1532-8968.

Currículo Lattes:  http://lattes.cnpq.br/7998559848634694;

 

Referências

ARAÚJO, Elis Regina Nunes Mota. O cotidiano da infância e das práticas educativas da educação do campo: categorias em construção na história da educação. 2016. 141 f. Dissertação (Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016.

ARAÚJO, Elis Regina Nunes Mota. Educação das crianças e da infância do e no campo em assentamentos rurais do estado de Sergipe. 2022. 173 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2022.

CALDART, Roseli Salete. Por uma Educação Básica do Campo: Traços de uma identidade em construção. In: KOLLING, Edgar Jorge. (org.) Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília, DF: Articulação nacional Por Uma Educação do Campo, 2002.

DUSSEL, Enrique. Meditações anti-cartesianas: sobre a origem do anti-discurso filosófico da modernidade. Tabula Rasa. [S. l.], n.9, p. 153-198, 2008.

DUSSEL, Enrique. 1942 – O encobrimento do outro: origem do mito da modernidade. Vozes. Petrópolis, 1993.

FARIAS, Magno Nunes; FALEIRO, Wender. Educação dos povos do campo no Brasil: colonialidade/modernidade e urbanocentrismo. Educ. rev. [online]. 2020, v.36, e216229. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/edur/a/HpB7MxF4yq7tY3zXtdxrzRt/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 30/10/2023.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro, RJ: Editora Civilização Brasileira, 1968.

CORREIA, Elis Santos. O fechamento das escolas do campo em Sergipe: territórios em disputa (2007-2015). 2018. 210 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2018.

HAGE, Salomão; ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel (org.). Escola de Direito: Reinventando a Escola Multisseriada. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2010.

MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa Editorial, 2007.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. O que é uma Pedagogia Decolonial. Revista Nova América, Rio de Janeiro, n. 149, p. 36-39, jan./mar. 2016. Disponível em: http://www.novamerica.org.br/ong/wp-content/uploads/2019/07/0149.pdf. Acesso em: 16 nov. 2020.

PAIVA, José Maria de. Educação Jesuítica no Brasil Colonial. In. LOPES, Eliana Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. (org.). 500 anos de educação no Brasil. 2ªed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 44 – 78.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter; QUENTAL, Pedro de Araújo. Colonialidade do poder e os desafios da integração regional na América Latina. Polis - Revista Académica de la Universidad Bolivariana de Chile, v. 31, p. 1-26, 2012.

Disponível em: https://www.scielo.cl/pdf/polis/v11n31/art17.pdf. Acesso em: 22 out. 2020

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, 2005. p. 107-130.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES. Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. 2009. p. 73-117.

WALSH, Catherine. Interculturalidad Crítica/Pedagogia decolonial. In: Memórias del Seminário Internacional "Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad", Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional, 2007.

Downloads

Publicado

23/04/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 91
  • pdf downloads: 107

Como Citar

SANTOS DE JESUS, S.; LUCINI, M. A colonialidade em movimento: uma reflexão sobre o fechamento de escolas do campo no município de Cristinápolis – Sergipe, Brasil: Colonialidad en movimiento: una reflexión sobre el cierre de escuelas rurales en el municipio de Cristinápolis – Sergipe, Brasil. Revista Cocar, [S. l.], n. 24, 2024. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/8304. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Eixo 3: Educação como práxis da Libertação