A docência universitária e a orientação em mestrado acadêmico: desafios de professoras orientadoras

La docencia universitaria y la orientación en una maestría académica: desafíos de las profesoras orientadoras

Autores

Palavras-chave:

Docência universitária, Orientação em mestrado acadêmico

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa que propôs o seguinte problema: Quais as percepções que os professores têm de si na condição de orientadores no contexto da formação continuada em nível de mestrado no PPGECH/UFAM? Seguido do objetivo de analisar a percepção que os professores têm de si e de aspectos relacionados à docência e aos desafios na orientação em programa stricto sensu. A pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo narrativa, por meio de entrevista narrativa, coletou dados com quatro professoras que foram analisados à luz da Análise de Conteúdo. O resultado mostrou que a condição de doutor(a) não significa preparo para exercer a orientação, mas as experiências trazidas como ex-pós-graduandas e o aprendizado entre os pares serviram de norte para esse exercício. A carga horária, com excesso de trabalho, para conciliar a graduação com a pós-graduação; a cobrança para cumprimento de exigências burocráticas, perpassado pela produtividade foram desafios mais recorrentes evidenciados pela pesquisa.

Palavras-chave: Ensino Superior; Pós-graduação; Orientação em programa stricto sensu.

 

Resumen

Este artículo forma parte de una investigación que propuso el siguiente problema: ¿Cuáles son  las percepciones que tienen los docentes de sí mismos como orientadores en el contexto de la formación contínua en el nivel de maestría del PPGECH/UFAM? Seguido por el objetivo de analizar la percepción que los docentes tienen de sí mismos y de los aspectos relacionados con la docencia y los desafíos en la orientación en un programa estricto sensu. La investigación con enfoque cualitativo, de tipo narrativo, a través de entrevistas narrativas, recopiló datos de cuatro docentes que fueron analizados a la luz del Análisis de Contenido. El resultado mostró que la condición de doctor(a) no significa preparación para ejercer la supervisión, sin embargo, las experiencias aportadas como ex posgraduados y el aprendizaje entre sus pares sirvieron de guía para ese ejercicio. La carga horaria, con exceso de trabajo, para conciliar estudios de pregrado y posgrado; la exigencia por el cumplimiento de requisitos burocráticos, permeada por la productividad, fueron los desafíos más recurrentes destacados por la investigación.

Palabras clave: Enseñanza superior; Posgrado; Orientación en un programa estricto sensu.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Reis da Silva, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM, especialista em Metodologia do Ensino Superior pela UFAM, mestra em Educação pela UFAM e doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora nos cursos da Graduação e docente permanente do mestrado no Programa de Pós-graduação em ensino de Ciências e Humanidades - PPGECH/UFAM, no campus do município de Humaitá/AM. Faz pós-doutorado em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4166-5386; E-mail: verareis@ufam.edu.br

 

Marilda Aparecida Behrens, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Possui graduação em Pedagogia Orientação Educacional pela Universidade Federal do Paraná (PUCPR); Graduação em Pedagogia Supervisão Escolar pela Universidade Federal do Paraná; Mestrado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP); Doutorado em Educação (Currículo) pela PUCSP; Pós-doutorado em Educação na Universidade do Porto. Desde 1975 atua na Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR, na qual é professora Titular. Dentre outras atividades destaca a docência No Programa de Pós-Graduação em Educação e no Curso de Pedagogia. Coordena o GRUPO PEFOP- Paradigmas Educacionais e Formação de Professores. Orcid https://orcid.org/0000-0002-3446-2321; marilda.aparecida@pucpr.br

Referências

ALVES, Vania Maria; Espíndola, Isabel Cristina Pitz; BIANCHETTI, Lucídio. A relação orientador-orientando na pós-graduação stricto sensu no Brasil: a autonomia do discente em discussão. Revista Educação em Questão. Natal, v. 43, n. 29, p. 135-156, maio/ago. 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BATISTA, Gustavo Silvano; GOLVEIA, Roberta Alves; CARMO, Renato de Oliveira Souza. A epistemologia da prática profissional docente: observações acerca de alguns desafios atuais. Ensino em Re-Vista. Uberlândia, v. 23, n. 1, jan./jul. 2016.

BEHRENS, Marilda Aparecida. PRIGOL. Edna Liz. Formação docente on-line: mudança paradigmática na docência. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 23, n. 78, jul./set. 2023. Disponível em: http://doi.org/10.7213/1981-416X.23.078.DS02. Acesso em: 4 nov. 2023.

BIANCHETTI, Lucídio. Grupos de pesquisa e formação de orientadores: depoimentos de pesquisadores. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 52. Artigo e08943, 2022. https://doi.org/101590198053148943.

BIANCHETTI, Lucídio. Formação de docentes e pós-graduação: docente ou pesquisador? Há futuro para esse ofício? Educação Unisinos. São Leopoldo, v. 16, n. 3, set./ dez., 2012.

BIANCHETTI, Lucídio; MACHADO, Ana Maria. Trabalho docente no stricto sensu: publicar ou morrer?! In: FIDALGO. F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO. N. L. R. (Org.) A intensificação do trabalho: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb/pdf. Acesso em: 4 out. 2023.

CICILLINI, Graça Aparecida. Professores universitários e sua formação: concepções de docência e prática pedagógica. In: NOVAIS, G. S.. CICILLINI, G. A. (Org.). Formação docente e práticas pedagógicas: olhares que se entrecruzam. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, Belo Horizonte, MG, 2010. p. 19-43.

COSTA, Francisco José; SOUSA, Socorro Cláudia Tavares de; SILVA, Anielson Barbosa. Um modelo para o processo de orientação na pós-graduação. Revista Brasileira de Pós-graduação (RBPG). Brasília, v. 11, n. 25, p 832-852, set., 2014.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

CUNHA, Maria Isabel da (Org.). Trajetórias e lugares de formação da docência universitária: da perspectiva individual ao espaço institucional. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2010. p. 19-34.

CUNHA, Maria Isabel da. A formação docente na universidade e a ressignificação do sendo comum. Educar em Revista, v. 35, n. 75, p. 121-133, maio/jun. 2019.

FERENC, Alvanize Valente Fernandes; BRANDÃO, Ana Carolina Pessoa; BRAÚNA, Rita de Cássia Alcântara. Condições de trabalho docente em uma universidade pública. Rev. Eletrônica Pesquiseduca. Santos, v. 7, n. 14, p. 358-384, jul./dez. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W. GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2. edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

MARCELO GARCÍA, Carlos. (Org.). El profesorado principiante: Inserción a la docencia. Barcelona, Espanha: Octoedro, 2009.

MASSI, Luciana. Formação e atuação de orientadores neófitos em Educação em Ciências: uma investigação sociológica disposicional. Revista Brasileira de Pós-graduação (RBPG). Brasília, v. 18, n. 39 p. 1-21, jan./jul., 2022. Disponível em:

https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/download/1828/968. Acesso em: 4 set. 2023.

NÓBREGA, Maria Helena da. Orientandos e orientadores no século XXI: desafios da pós-graduação. Educação & Realidade, v. 43, n. 3, p. 1055-1076, 2018.

NÓVOA, António. Entre a formação e a profissão: ensaio sobre o modo como nos tornamos professores. Currículo sem fronteiras, v. 9, n. 1, p. 198-208, jan./abr., 2019.

RAVAGNOLI, N. C. da S. R. A entrevista narrativa como instrumento na investigação de fenômenos sociais na Linguística Aplicada. Revistas PUC-SP. São Paulo, v. 29, n. 3, 2018. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/esp. Acesso em: 11 set. 2023.

SALGADO, Monica Santos. Desafios da coordenação de um programa de pós-graduação: relato de uma experiência. Revista Brasileira de Pós-graduação (RBPG). Brasília, v. 16, n. 35, 2020. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/1710. Acesso em: 4 set. 2023.

SEVERINO. Antonio Joaquim. Da docência no ensino superior: condições e exigências. Comunicações. Piracicaba. Ano 20, n. 1, p. 43-52., jan./jun. 2013.

SILVA, Vera Lúcia Reis da. Docentes universitários no início da profissão: movimentos e experiências no cotidiano da docência universitária. Curitiba: CRV, 2019.

VIANA, Cleide Maria Quevedo Quixadá. A relação orientador-orientando na pós-graduação stricto sensu. Linhas Críticas. Brasília, v. 14, n. 26, jan./jun., 2008.

VIANA, Cleide Maria Quevedo Quixadá; VEIGA, Ilma Passos Alencastro. O diálogo acadêmico entre orientadores e orientandos. Educação. Porto Alegre, v. 33, n. 3. P. 222-226, set./dez. 2010.

Downloads

Publicado

22/01/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 211
  • pdf downloads: 230

Como Citar

REIS DA SILVA, V. L.; APARECIDA BEHRENS, M. A docência universitária e a orientação em mestrado acadêmico: desafios de professoras orientadoras: La docencia universitaria y la orientación en una maestría académica: desafíos de las profesoras orientadoras. Revista Cocar, [S. l.], v. 20, n. 38, 2024. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/7878. Acesso em: 23 jun. 2024.