Descolonizando o Currículo: reflexões a partir da contribuição de Enrique Dussel para a construção de um currículo antirracista

Descolonizando el Currículum: reflexiones a partir del aporte de Enrique Dussel para la construcción de un currículum antiracista

Autores

Palavras-chave:

Currículo Antirracista;, Colonialidade, Decolonialidade, Educação das Relações Étnico-raciais

Resumo

O presente artigo aborda as possibilidades de construção de currículos antirracistas. Toma como referência a contribuição de Enrique Dussel para o Pensamento Decolonial e para as Teorias Pós-Coloniais, que são a base teórica para refletirmos sobre o “encobrimento do outro” (negros, indígenas, mulheres) nos currículos escolares e buscarmos alternativas a partir da perspectiva de uma “ética da libertação” que contribua com o processo de descolonização dos referidos currículos. Seu objetivo central é problematizar os currículos escolares denunciando a presença da Colonialidade que, dentre outras violências, inventou e impôs a ideia de “raça” para classificar e hierarquizar os seres humanos, como estratégia do processo de dominação colonial que se perpetua até hoje. O trabalho se pauta na pesquisa bibliográfica, buscando construir uma fundamentação teórica robusta para atender aos objetivos propostos. Aponta para a atitude decolonial de sujeitos outros que já vêm contribuindo para construir pedagogias antirracistas e decoloniais.

Palavras-chave: Currículo Antirracista; Colonialidade/Decolonialidade; Educação das Relações Étnico-raciais.

 

Resumen

Este artículo aborda las posibilidades de construir currículos antirracistas. Se toma como referencia el aporte de Enrique Dussel al pensamiento descolonial y a las Teorías Poscoloniales, que son la base teórica para reflexionar sobre el “ocultamiento del otro” (negros, indígenas, mujeres) en los currículos escolares y buscar alternativas para  una “ética de liberación”, que promovería la descolonización de los currículos mencionados. Su objetivo central es problematizar los currículos escolares, denunciando la presencia de la Colonialidad, que, entre otras formas de violencia, inventó e impuso la idea de “raza” para clasificar y jerarquizar a los seres humanos como estrategia para el proceso de dominación colonial que continúa hasta el día de hoy. El trabajo se basa en una investigación bibliográfica, buscando construir una base teórica robusta para cumplir con los objetivos propuestos. Señala la actitud decolonial de sujetos otros que ya han contribuido a construir pedagogías antirracistas y decoloniales.

Palabras clave: Currículo Antirracista; Colonialidad/Descolonialidad; Educación de las Relaciones Étnico-raciales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Guerreiro Ferreira, Universidade Federal da Paraíba/ DED | CCAE | UFPB

Mestra em Educação Contemporânea (2013) e Doutora em Educação (2018) pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é professora adjunta e coordenadora do curso de Pedagogia no Departamento de Educação, do Campus IV da Universidade Federal da Paraíba (DED | CCAE | UFPB). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Antirracista (GEPEA) CCAE/UFPB. Associada da ABPN (Associação Brasileira de Pesquisadoras/es Negras/os) e da ALAS (Associação Latino-Americana de Sociologia); Integrante do NUPEFEC (Núcleo de Pesquisa, Extensão e Formação em Educação do Campo) CAA/UFPE e do Grupo de Estudos Pós-Coloniais e Teoria da Complexidade em Educação/ CAA-UFPE. Integra a Equipe Editorial da Revista Interritórios (https://periodicos.ufpe.br/revistas/interritorios/index).Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação das Relações Étnico-Raciais; Política, Práticas e Práxis Curriculares; Política Educacional; Educação do Campo; Estudos Pós-Coloniais; Pensamento Decolonial e Interculturalidade .

Email: michele.guerreiro@academico.ufpb.br.  Orcid: https://orcid.org/0000-0002-7394-1149

Janssen Felipe da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre (2001) e Doutor (2007) em Educação pela UFPE. Professor Associado do IV do Centro Acadêmico do Agreste (CAA) da UFPE no Curso de licenciatura em Pedagogia e foi professor do Curso da Licenciatura Intercultural Indígena. Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea do CAA. Membro do Núcleo de Pesquisa, Extensão e Formação em Educação do Campo (Nupefec) do CAA. Pesquisador dos Grupos de Pesquisa: a) Estudos Pós-Decoloniais e Teoria da Complexidade em Educação (Líder); b) Ensino-Aprendizagem e Processos Educativos; c) Formação de Professor e Profissionalização Docente. Membro do Centro dos Estudos Avançados da UFPE. Foi (2015-2022) Editor Chefe da Revista Interritórios. Ex-Coordenador do Instituto de Estudos da América Latina - UFPE. Foi (2009-2022) Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação (CE) da UFPE.  Email: janssen.silva@ufpe.br  Orcid:https://orcid.org/0000-0001-8113-3478

Saulo Ferreira Feitosa, Universidade Federal de Pernambuco

Especialista em Bioética, mestre em Ciências da Saúde e doutor em Bioética pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em História pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Estudou Odontologia na Universidade Federal de Alagoas e Teologia no Instituto Teológico do Recife - PE. Possui Licenciatura Plena em História pela Fundação de Ensino Superior de Olinda. Atualmente é professor do Curso de Medicina e do Curso de Licenciatura Intercultural indígena da Universidade Federal de Pernambuco, no Centro Acadêmico do Agreste. Professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea da UFPE (PPGEduc).

Email: saulo.ffeitosa@ufpe.br  Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6360-0212

 

Referências

ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ALMEIDA, Eliene Amorim de; SILVA, Janssen Felipe da. Abya Yala Como Território Epistêmico: Pensamento Decolonial Como Perspectiva Teórica. Interritórios, Caruaru, Brasil, v.1, n.1, 2015, p. 42-64.

ANZALDÚA, Glória. Como domar uma língua selvagem? Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 297-309, 2009.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei nº 9.394/96 – 24 de dez. 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1998. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm Acesso em: 10 nov. 2023.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (org.). El Giro Decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO: Siglo del Hombre Editores, 2007, 9-24.

COLÔMBIA. Ley 70 de las Comunidades Negras. América Negra. n. 6, diciembre 1993.

DUSSEL, Enrique. 1492 El encubrimiento del outro: hacia el origen del “mito de la Modernidad”. La Paz: Plural Editores, 1994.

DUSSEL, Enrique. Europa, Modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). A Colonialidade do Saber, Eurocentrismo e Ciências Sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 55-70.

DUSSEL, Enrique; MENDIETA, Eduardo; BOHÓRQUEZ, Carmen (eds.), El pensamiento filosófico latinoamericano, del Caribe y "latino" (1300-2000). Historia, corrientes, temas, filósofos, Centro de Cooperación Regional para la Educación de Adultos en América Latina y el Caribe/Siglo XXI Editores, México: 2009.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, Franz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERREIRA, Michele Guerreiro; SILVA, Janssen Felipe da. Brasil/África: unidos pelo atlântico, separados pelo currículo escolar? In: PEREIRA, José Alan da Silva; COSTA, Fátima Batista da (org.). Saberes Múltiplos. Recife: Editora Universitária/UFPE, 2015, p. 79-102

FERREIRA, Michele Guerreiro; SILVA, Janssen Felipe da. Confluências entre Pedagogia Decolonial e Educação das Relações Étnico-Raciais: elementos de uma praxis curricular outra a partir das contribuições de Franz Fanon e Paulo Freire. In. GARCIA, Maria de Fátima; SILVA, José Antonio Novaes da (org.). Africanidades, afrobrasilidades e processo (des)colonizador: contribuições à implementação da Lei 10.639/03. João Pessoa: Editora UFPB, 2018, 74-113.

FERREIRA, Michele Guerreiro; SILVA, Janssen Felipe da. Opção Decolonial e Práxis Curriculares de Enfrentamento do Racismo: diálogos com sujeitos curriculantes de licenciaturas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Interritórios, Caruaru, Brasil, v. 5 n. 8, p. 121-150, 2019: Dossiê: Estudos e Pensamentos Pós-Des-Decoloniais e as interfaces com a Educação e o Conhecimento.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 80, p. 115-147, mar., 2008.

GROSFOGUEL, Ramon. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídio do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, jan./abr. 2016.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Del mito de la democracia racial a la descolonización del poder, del ser, y del conocer. [Partes de este ensayo fueron presentadas en la] Conferencia internacional “Reparaciones y descolonización del conocimiento”, en Salvador, Brazil, el 25 y 26 de mayo del 2007. 2007.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, p. 71-114, mar. 2008.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 75-97, jan./abr. 2016.

MIGNOLO, Walter. Herencias coloniales y teorías postcoloniales. In: GONZÁLES STEPHAN, B. Cultura y Tercer Mundo: Cambios en el Saber Académico. Venezuela: Nueva Sociedad, 1996. p. 99-136.

MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: a Opção Descolonial e o significado de Identidade Em Política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, Rio de Janeiro, n. 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, Walter. Historias Locales/Diseños Globales: Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2011.

MIRANDA, Claudia. Afro-colombianidade e outras narrativas a Educação Própria como agenda emergente. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 59, p. 1053-1076, out.-dez., 2014.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, nº 01, p. 15-40, abr. 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder y Clasificacion Social. Journal of world-systems research, v. 6, n. 2, p. 342-386, 2000.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Trad. Júlio César Casarin Barroso Silva. 3. ed. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del Poder y Clasificación Social. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (org.). El Giro Decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 93-126.

PACHECO, José Augusto. Escritos Curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.

PALERMO, Zulma. La opción decolonial. CECIES, [S. l.]. 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula; NUNES, João Arriscado. Introdução: para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 21-121.

SILVA, Claudilene; SANTIAGO, Maria Eliete. Pensamento negro e educação intercultural no Brasil. Interritórios, Caruaru, v.2, n.3, 2016, p. 78-100.

SCHUCMAN, L. V. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. 2ª ed. São Paulo: Veneta, 2020.

TUBINO, Fidel. La praxis de la interculturalidad en los estados nacionales latinoamericanos. Cuadernos Interculturales. Valparaíso-CHI, jul./dic., v. 3, n. 5, p. 83-96, 2005.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y Colonialidad del Poder: Un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, Ramón (org.). El Giro Decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 47-62.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, Plurinacionalidad y Decolonialidad: Las Insurgencias Político-Epistémicas de Refundar el Estado. Tabula Rasa. Bogotá, Colombia, No.9: 131-152, jul./dic., 2008.

WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y pedagogia de-colonial: apuestas (des)de in-surgir, re-existir e re-vivir. Educação on-line. Departamento de Educação PUC-Rio, 2009. Disponível em: www.catherine-walsh.blogspot.com. Acesso em: 10 abr. 2023.

WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: VIAÑA, Jorge; TAPIA, Luis; WALSH, Catherine. Construyendo Interculturalidad Crítica. 3ª ed. La Paz, Bolivia: CAB Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2010. p. 75-97.

WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales caminando y preguntando. Notas a Paulo Freire desde Abya Yala. Revista Entramados - Educación Y Sociedad. Año 1 Número 1- 2014, 17-31.

Downloads

Publicado

23/04/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 114
  • pdf downloads: 125

Como Citar

GUERREIRO FERREIRA, M.; SILVA, J. F. da; FERREIRA FEITOSA, S. Descolonizando o Currículo: reflexões a partir da contribuição de Enrique Dussel para a construção de um currículo antirracista: Descolonizando el Currículum: reflexiones a partir del aporte de Enrique Dussel para la construcción de un currículum antiracista. Revista Cocar, [S. l.], n. 24, 2024. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/8295. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Eixo 3: Educação como práxis da Libertação