Educação Ambiental crítica e conservação da biodiversidade: reflexões iniciais nas unidades de conservação do Amazonas

Critical environmental education and biodiversity conservation: initial approach in conservation units in the Amazonas

Autores

DOI:

10.31792/rc.v20i38.7959

Palavras-chave:

Unidades de conservação, Amazonas, biodiversidade

Resumo

Nesta pesquisa, compreende-se unidade de conservação (UC) como estratégia de conservação da biodiversidade e educação ambiental (EA) como um campo social de disputas. O objetivo foi analisar iniciativas de EA nas UC estaduais do Amazonas. Foram utilizados questionários com o retorno de 18 UC. Identificou-se iniciativas respaldadas por instrumentos como planos de gestão, programas de EA e conselhos. A EA é abordada com público diverso, visando objetivos complexos e formatos pontuais. Considerando espaços de disputa como a criação, consolidação e fortalecimento dos instrumentos de políticas públicas; ocupação de espaços de participação política na gestão da biodiversidade e no governo; e concepção filosófica e político-pedagógica da EA a ser desenvolvida, destaca-se que as ações observadas têm potencial de dialogar com a EA na perspectiva crítica, ainda que isso não tenha sido detectado.

Palavras-chave: Unidades de Conservação; Amazonas; Bi­odiversidade.

 

Abstract

In  this exploratory research,  a  protected area (PA)  is  understood  as  a  biodiversity  conservation strategy,  and  environmental  education  (EE) is  regarded  as  a  social  field  expressing  disputes.  The objective was to analyze EE initiatives in the state-manage PA in Amazons (Brazil).  Questionnaires were employed with responses from 18 PA. It identified initiatives supported by instruments such as management plans, environmental programs, and councils. EE is approached with diverse audiences, aiming  for  complex  objectives  and  specific  formats.  Considering  areas  of  contention  such  as  the creation, consolidation, and strengthening of public policy instruments; occupying spaces for political participation in  biodiversity  management  and  governance;  and  the  philosophical  and  political-pedagogical conception  of EE  to be developed, it is highlightedthat the observed actions have the potential to engage with EE from a critical perspective,although this was not detected.

Keywords: Protected areas; Amazon; biodiversity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Battaini, Universidade do Estado do Amazonas

Bióloga (Unesp). Mestre e Doutora em Ciências Ambientais (Esalq/Cena). Atualmente professora da Universidade do Estado do Amazonas. Sua área de pesquisa é educação ambiental e ensino de Ciências.

Rodrigo Machado, Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo

Doutor em Ciência Ambiental (PROCAM/IEE/USP) e Mestre em Educação (FEUSP). É pesquisador independente e servidor público, atuando como educador Ambiental no Sistema Ambiental Paulista do governo do estado de São Paulo.

Maria Henriqueta Andrade Raymundo, Universidade Federal do ABC

Doutoranda em Políticas Públicas pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Mestra em Recursos Florestais pela ESALQ/USP. Coordenadora da ANPPEA - Articulação Nacional de Políticas Públicas de Educação. henriqueta.raymundo@ufabc.edu.br     https://orcid.org/0000-0002-5138-1750

Referências

ABRAMOVAY, R. Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza. São Paulo: Elefante, 2019.

ALMEIDA, M. W. B; REZENDE, R. S. Uma nota sobre comunidades tradicionais e unidades de conservação. Ruris, Campinas, v. 7 n. 2, set., 2013.

AMAZONAS. Unidades de conservação, 2003. Disponível em: http://meioambiente.am.gov.br/unidade-de-conservacao. Acesso em: 24 abr. 2022.

AMORIM, S; BOULLOSA, R. F. O estudo dos instrumentos de políticas públicas: uma agenda em aberto para experiências de migração de escala. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, Belém, v.2, n.1, p. 59-69, 2013.

BENSUSAN, N. Diversidade e unidade: um dilema constante. In: BENSUSAN, N; PRATES, A.P. A diversidade cabe na unidade? Áreas protegidas no Brasil. Brasília: Mil Folhas-IEB, 2014, p. 30-81.

BORDENAVE, J. O que é participação? São Paulo: Brasiliense, 1987.

BRASIL. Decreto n.º 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília, DF, 2007. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 27 nov. 2023.

BRASIL. Lei federal n.º 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF, 2000. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 27 nov. 2023.

BRASIL. Meio Ambiente. Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC), 2007. Disponível em: https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/areas-protegidas/plataforma-cnuc-1. Acesso em: 24 abr. 2022.

COELHO, A. A. Terceirização e participação na gestão em unidades de conservação do Amazonas. 2012. 167. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEOG), Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012.

COUTINHO, Joana Aparecida. As ONGs: origens e (des)caminhos. Lutas Sociais, (13/14), 57–64. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/view/18668>. Acesso em: maio 2024.

FRAXE, T(a). Áreas protegidas no Amazonas: conservação e sustentabilidade como preceitos ambientais indissociáveis. Revista Areté - Revista Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v.10, n.21, p. 63-71, maio. 2017.

GAUDIANO, Edgar. Otra lectura a la historia de la educación ambiental em América Latina y el Caribe. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 3, p. 141-158, jan./jun., 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LASCOUMES P.; LE GALES, P. Introduction: understanding public policy through its instruments - from the nature of instruments to the sociology of public policy instrumentation. Governance, Oxford, v.20, n.1, p. 1-21, jan., 2007.

LAYRARGUES, P.P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, São Paulo v. XVII, n. 1, p. 23-40, 2014.

MACHADO, R; SORRENTINO, M. Educação Ambiental, contra hegemonia e gestão de unidades de conservação: aproximações a Antônio Gramsci. Pesquisa em Educação Ambiental, v.16, n.2, p. 41-60, 2021. Disponível em: <https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/pesquisa/article/view/15431/12261>. Acesso em 04 jun. 24.

MACHADO, R. Educação ambiental, conservação e disputas de hegemonia. São Paulo: Appris, 2023.

MARETTI, C. Áreas protegidas: definições, tipos e conjuntos - reflexões conceituais e diretrizes para gestão. In: CASES, M.O. Gestão das unidades de conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: WWF-IPÊ, 2012, p. 331-367.

MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MURER, B. M; FUTADA, S. M. Unidades de Conservação. s/d, 2022. Disponível em: https://uc.socioambiental.org/pt-br/unidadesdeconservacao#sistema-de-unidades-de-conservao-snuc. Acesso em: 27 nov. 2023.

OROZCO; MARIN Y. O ensino da biodiversidade: tendências e desafios nas experiências pedagógicas. Góndola, enseñanza y aprendizje en kas ciências, Bogotá, v. 12, n. 12, 2017.

PRATES, A.P.L; IRVING, M.A. Conservação da Biodiversidade e Políticas Públicas para Áreas Protegidas no Brasil: desafios e tendências da origem da CDB às metas de Aichi. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, n. 1, p. 27-57, 2015.

SANDBROOKE, Chris et al. The global conservation movement is diverse, but not divided. Natural Sustentabily, Londres, v. 2, n.4, p. 316-332, abr., 2019.

SAUVÈ, L. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2,p. 317-322, 2005.

SILVA, A. de A.; COELHO, A. A. Entre Parques e Reservas: o processo de criação e a participação na gestão em Unidades de Conservação estaduais do Amazonas. Terr@ Plural, [S. l.], v. 16, p. 1–20, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/17608. Acesso em: 9 dez. 2023

SORRENTINO, M. Crise ambiental e educação. In: QUINTAS, J.S. Pensando e praticando a educação ambiental. Brasília: Ibama, 2002, p. 91-106.

SORRENTINO, M. Situação atual e perspectivas da educação ambiental no Brasil. In: PAGNOCCHESI B. EA: experiências e perspectivas. Brasília: Inep, 1993.

SVAMPA, M. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Elefante, 2019.

Downloads

Publicado

05/06/2024
Métricas
  • Visualizações do Artigo 60
  • pdf downloads: 60

Como Citar

BATTAINI, V.; MACHADO, R.; ANDRADE RAYMUNDO, M. H. Educação Ambiental crítica e conservação da biodiversidade: reflexões iniciais nas unidades de conservação do Amazonas: Critical environmental education and biodiversity conservation: initial approach in conservation units in the Amazonas. Revista Cocar, [S. l.], v. 20, n. 38, 2024. DOI: 10.31792/rc.v20i38.7959. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/7959. Acesso em: 13 jul. 2024.