O ENSINO-APRENDIZAGEM DE CARTOGRAFIA NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Autores

  • Rodrigo Rafael Souza de Oliveira Universidade do Estado do Pará http://orcid.org/0000-0002-4342-9355
  • Ana Cláudia Oliveira Martins Universidade do Estado do Pará/ Discente do Curso de Licenciatura Plena em Geografia
  • Daniele Cristina da Silva Palheta Universidade do Estado do Pará/ Discente do Curso de Licenciatura Plena em Geografia
  • João Lucas Araújo da Silva Universidade do Estado do Pará/ Discente do Curso de Licenciatura Plena em Geografia
  • Naldinele Silva Sarmanho Universidade do Estado do Pará/ Discente do Curso de Licenciatura Plena em Geografia
  • Marlena Santos Souza Professora de Geografia da Escola Municipal de Ensino Fundamental Profª. Odete Barbosa Marvão

Resumo

A representação da superfície terrestre, bem como dos processos, fenômenos e objetos que ocorrem na superfície da terra está intrínseco à Cartografia, por ser uma ferramenta para análise e compreensão dos processos sociais e naturais. É imprescindível que o ensino e aprendizagem de Geografia nas escolas utilize a Cartografia para que alunos possam ler e representar o espaço em que vivem, em diferentes escalas. Nessa premissa, objetivou-se saber a qualidade do ensino de Cartografia por alunos do ensino fundamental maior. O presente estudo lançou mão de questionários e aula expositiva-participativa, bem como metodologias ativas de intervenção escolar no âmbito da disciplina Geografia, tendo como método de análise dos dados qualitativos uma escala de mensuração de tipo Likert para avaliação de desempenho dos alunos do 9º ano da educação básica municipal do município de Igarapé-Açu, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Odete Barbosa Marvão. No que se refere às análises dos questionários pré-intervenção notou-se que 65% das respostas foram Não Satisfatórias, e após a intervenção mais de 50% de respostas foram avaliadas como Muito Satisfatórias e 20% de respostas Satisfatórias. Portanto, a aplicação de metodologias ativas que envolvem a intervenção escolar por meio da aplicação de métodos alternativos e intensivos que utilizam recursos didáticos e paradidáticos são efetivos e significativos no processo de ensino-aprendizagem dos conteúdos geográficos, especialmente nas séries finais do ensino fundamental.

Biografia do Autor

Rodrigo Rafael Souza de Oliveira, Universidade do Estado do Pará

Mestre em Ciências Ambientais pelo Instituto de Geociências (UFPA). Possui Licenciatura Plena e Bacharelado em Geografia da Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará. Atua como Consultor do Banco Mundial, no "projeto TerraClass Cerrado" no Centro Regional da Amazônia do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) . Desenvolvendo atividades junto a grupos de trabalho e projetos de pesquisa científica na grande área da Geografia Física e Cartografia. Possui experiência em análise, processamento, interpretação e sistematização de dados espaciais nas áreas de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. Com ênfase em aplicação de geotecnologias para análise da dinâmica de uso da terra e vulnerabilidade ambiental. Atua também na docência, ministrando aulas (graduação e pós-graduação) das disciplinas que envolvem Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Cartografia, Modelagem de Sistemas e temas das Ciências Ambientais.

Downloads

Publicado

01/07/2022

Edição

Seção

Artigos