FLUIDEZ E SOLIDIFICAÇÕES NAS REFORMAS CURRICULARES DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

Autores

DOI:

10.69675/RCU.2763-7646.3847

Palavras-chave:

Licenciatura em Matemática, Currículo, Modernidade líquida, Formação de professores

Resumo

 O presente artigo constitui-se de uma investigação acerca das atuais mudanças nos documentos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) e seus reflexos nos cursos de Licenciatura em Matemática, resultado de uma etapa da pesquisa de conclusão de curso. Foi realizado um estudo bibliográfico desenvolvido qualitativamente, com objetivo de apresentar os aspectos “fluidos” ou que se “solidificaram” nas reformas curriculares da formação inicial dos professores de matemática, na perspectiva dada por Bauman (2001), com intuito de responder à seguinte questão: O que se manteve “fluido” e o que se “solidificou” na formação inicial dos professores de matemática, após as reformas curriculares ocorridas no cenário educacional? A pesquisa revelou que ainda há muito que se dissolver, mas pelas transformações já ocorridas e as discussões acerca desses sólidos, como: dissolver a separação entre teoria e prática; a separação dos conteúdos específicos e pedagógicos, e a valorização do Bacharelado em detrimento da Licenciatura em Matemática. Esses resultados implicam que as instituições estejam passando por uma fase de dissolução de sólidos importante para uma formação docente eficaz e satisfatória decorrente das mudanças educacionais.

Biografia do Autor

Jeane do Socorro Costa da Silva, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal do Pará (2003) e mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (2006), doutorado em Educação Matemática pela PUC-SP. Atualmente é professora - Secretaria de Estado de Educação do Pará e professora da Universidade do Estado do Pará. Tem experiência na área de Educação Matemática,  com ênfase em Ensino-Aprendizagem e formação de professor, atuando principalmente nos seguintes temas: formação inicial de professor, desenvolvimento profissional, aprendizagem Signficativa, Educação Matematica, Ensino Aprendizagem de Matemática, Ensino de números e expressões algebricas.

Referências

AZEVEDO, Rosa O. M. Formação inicial de professores da educação básica no Brasil: trajetória e perspectivas. Curitiba, 2012.

BAUMAN, Z. (2001). Modernidade Líquida (Trad. Dentzien, P.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Original workpublished 2000)

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994. cap. 1 e 2, p. 48-52.

BRZEZINSKI, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores: busca e movimento. Campinas: Papirus, 1996

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10/05/2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho nacional de Educação. Parecer nº.1.302, de 06 de novembro de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Matemática, bacharelado e licenciatura. Diário Oficial da União. Brasília, 06 de novembro de 2001.

CYRINO, M. C. C. T. Preparação e emancipação profissional na formação inicial do professor de matemática. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A (Orgs). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica,2006. p.77-88.

GIL, A. C. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas. 2005.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores- Porto Alegre: Artmed: 2012.

JUNQUEIRA, Sônia Maria da Silva. Constituição da Identidade de Cursos de Licenciatura em Matemática à Luz da Modernidade Líquida. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP, São Paulo, 2010.

MANRIQUE, Ana Lúcia. Licenciatura em matemática: formação para a docência x formação específica. Educ. Matem. Pesq.0, São Paulo, v.11,, 2009.

NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. A formação de professores que ensinam matemática: estudos e perspectivas a partir das investigações realizadas pelos pesquisadores do GT 7 da SBEM. In: NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A (Orgs). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica,2006. p. 7- 26.

NASSIF, Lourdes. A Educação Brasileira antes de 1964. Jornal GGN, 2017. Disponível em: <https://jornalggn.com.br/historia/a-educacao-brasileira-antes-de-1964/>. Acesso em: 27 de nov de 2020

PINTO, N. B. e SOARES, E.T.P. Práticas da Matemática Moderna no Curso de Licenciatura: uma perspectiva histórico-cultural. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 8,n. 23, p. 91-104, jan./abr. 2008.

SÃO PAULO. Decreto 27, de 12/03/1890. In: Coleção das Leis e Decretos do Estado de São Paulo. Tomo I – 1889-1891. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1909.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidade. Educação, v. 35, n. 3, p. 479-504, maio/ago. 2010.

ZICCARD, L.R.N. (2009). O curso de Matemática da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: uma história de sua constituição/desenvolvimento/legitimação. Tese (Doutorado em Educação Matemática), São Paulo: PUC-SP.

Downloads

Publicado

19/05/2021
Métricas
  • Visualizações do Artigo 186
  • pdf downloads: 155

Como Citar

ROCHA PAULO DE OLIVEIRA, L.; SILVA, J. do S. C. da; JULIANA CUNHA DA COSTA FRÓES. FLUIDEZ E SOLIDIFICAÇÕES NAS REFORMAS CURRICULARES DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Revista Comunicação Universitária, Belém, v. 1, n. 1, 2021. DOI: 10.69675/RCU.2763-7646.3847. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/comun/article/view/3847. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos