Reconstruindo trajetórias e itinerários de vida de alunos bolsistas na UFRGS

entre rupturas, construções e desconstruções

Autores

  • Angela Fernandes da Silva ANGELA.SILVA@UFRGS.BR
    UNIVERSIDADE FEEVALE

Palavras-chave:

Alunos bolsistas, Ensino Superior, UFRGS, REUNI, SBUFRGS, Trajetória

Resumo

Com a redemocratização, no final dos anos de 1980, observou-se no Brasil, a formulação e implantação gradativa de uma série de políticas sociais, até então deixadas a mercê de diferentes partidos políticos e interesses diversos, entraram para a pauta da agenda pública brasileira com vistas a corrigir certas distorções e desigualdades historicamente construídas, entre estas, inclui-se o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI (2007). Neste sentido, o presente texto se propõe a explorar a partir da etnografia e do uso de narrativas (etno) biográficas o modo como após seu ingresso na universidade, os alunos bolsistas, oriundos das classes sociais menos favorecidas, se constituem enquanto grupo e desde essa perspectiva e em função das atividades que desempenham no âmbito da universidade – em razão da bolsa que possuem – constituem trajetórias e projetos que envolvem rupturas familiares e a construção/desconstrução de vínculos sociais existentes antes de seu ingresso na universidade. Resultados preliminares de estudo, apontam para o esgotamento das categorias oficiais e para certa ausência de conhecimento destas trajetórias por parte de diversos setores da universidade que, inconscientemente, acabam por negligenciar e/ou deixar de lado esse contingente de alunos que, hoje, se constituem em grupo em crescente expansão no interior das universidades brasileiras

 

Referências

Brasil. (2007). Câmara dos Deputados. Decreto nº 6.0.96, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Brasília, DF.

Brasil. (1998). Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF.

Boher, I. N.; Puehringer, J. O; Silva, D. S.; Nairdof, J. (2009). (2018, 15 de julho). A história das universidades: o despertar do conhecimento. [S.l.]. Recuperado de http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfqGsAC/metodologia-trabalho-academico-historia-das-universidades.

Bruck, M. S. (2009). Biografias e literatura: entre a ilusão biográfica e a crença na reposição do real. Veredas & Cenários.

Bourdieu, P. (1996). A ilusão biográfica. In M. M. FERREIRA, J. AMADO (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 183-191). Fundação Getúlio Vargas.

Castanho, S. (2002). Da universidade modelo aos modelos de universidade. Quaestio: Revista de Estudos em Educação, 4 (1), 27-46.

Cunha, L. A. (1989a). Qual universidade? Autores Associados.

Cunha, L. A. (1989b). Universidade crítica. Francisco Alves.

Cunha, L. A. (1986). Universidade temporã. (2. Ed.). Francisco Alves.

Hohlfeldt, A. (2015). Exercícios biográficos: arqueologia cultural. In C. F. Gutfreind (Org.). Narrar o biográfico: a comunicação e a diversidade da escrita. (pp. 41-79). Sulina.

Machado, D. (2004). Os ratos. Planeta.

Meirelles, M. (2014). O uso do SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) na ciência política: uma breve introdução. Pensamento Plural, 14, 65-91.

Panizzi, W. M. (2017). Autonomia na universidade. CirKula.

Pastore, J.; Silva, N. V. (2000). Mobilidade social no Brasil. Makron Books.

Paula, M. F. C. (2002). USP e UFRJ: a influência das concepções alemã e francesa em suas fundações. Tempo Social, 14 (2), 147-161.

Pena, F. (2004). Teoria da biografia sem fim. Mauad.

Rio Grande do Sul. (1934). Decreto Estadual nº 5.728, de 28 de novembro de 1934. Porto Alegre.

Saiba quais são os 7 tipos de instituição de ensino superior no Brasil. (2017). (2018, 15 de julho). Recuperado de http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2017/02/17/1149604/saiba-quais-7-tipos-instituicao-ensino-superior-brasil.html.

Shigunov Neto, A.; Maciel, L. S. B. (2008). O ensino jesuítico no período colonial brasileiro: algumas discussões. Educar, 31, 169-189.

Silva, Â. F. (2014). De uma massa documental acumulada à formação do arquivo, da PROGESP! Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Silva, W. C. L. (2009). Biografias: Construção e reconstrução da memória. Fronteiras, 11 (20), 151-166.

UFRGS. (2016). Estatuto. Regimento Geral. (2022, 15 de julho). Recuperado de http://www.ufrgs.br/ufrgs/a-ufrgs/estatuto-e-regimento.

Downloads

Publicado

27/01/2023
Métricas
  • Visualizações do Artigo 31
  • PDF downloads: 0

Edição

Seção

Dossiê