Diversidade sexual e de gênero na Educação Profissional e Tecnológica de nível médio:

o uso de rodas de conversa na elaboração do Produto Educacional portfólio

Autores

Palavras-chave:

diversidade sexual e de gênero, Educação Profissional e Tecnológica, rodas de conversa, portfólio

Resumo

A questão da diversidade sexual e de gênero tem, nos últimos tempos, inclusive, sido pautada nas discussões pedagógicas. Este artigo tece reflexões sobre essa temática no currículo, com foco na Educação Profissional e Tecnológica a partir da promoção  de rodas de conversa com vista a um portfólio. O estudo se filia a uma pesquisa defendida no ProfEPT. A investigação é de base qualitativa, com o método da pesquisa-ação. Os procedimentos metodológicos incluem pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Rodas de conversa e questionários semiestruturados compuseram os instrumentos para coleta de dados. Assim, sustentamos que os tensionamentos em torno da temática gênero e sexualidade, na atualidade, tem limitado a sua inclusão no currículo escolar e o uso das rodas de conversa, materializado num portfólio, se apresentam como ferramentas viáveis ao trabalho com a temática da diversidade sexual e de gênero em diversificados espaços pedagógicos, consoante apontam os resultados da investigação.

Biografia do Autor

Ricardo Jorge de Sousa Cavalcanti, PROFEPT/IFAL

Pós-doutor e Doutor em Linguística. Professor e pesquisador permanente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/Ifal). Professor do Insituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (Ifal), atuando no Campus Maceió.

Roberto Idalino Barros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL)

Mestre em Educação Profissional e Tecnológica pelo ProfEPT/Ifal. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (Ifal), atuando no Campus Palmeira dos Índios.

Referências

Alvarenga, G. M., & Araujo, Z. R. (2006). Portfólio: conceitos básicos e indicações para utilização. Estudos em Avaliação Educacional, 17, (33), 137–148. Recuperado de: https://doi.org/10.18222/eae173320062131

Andrade, L. N. de. (2012). Travestis na escola: assujeitamento e resistência à

ordem normativa. Tese (doutorado) – UFC.

Apple, M. W. (2008). Ideologia e currículo. Artmed.

Araújo, D. (2018). Gênero e sexualidade na escola. UFBA.

Arroyo, M. G. (2013) Currículo, território em disputa. Vozes.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barros, R. I; Cavalcanti, R. J. de S. (2021). Diversidade sexual e de gênero no currículo da Educação Profissional: dizeres das/dos estudantes. Humanidades & Inovação. 8, (53), 211-224.

Bento, B. (2017). Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. EDUFBA.

Bonamigo, C. (2014). Limites e possibilidades históricas à educação Omnilateral. Educere - Revista da Educação, 14, (1), 83-101. Recuperado de: https://revistas.unipar.br/index.php/educere/article/view/5421

Brasil. (2007). Documento base. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, Educação Profissional Técnica de nível médio integrada ao Ensino Médio.

Brasil. (2012). Resolução CNE/CEB nº. 6, de 20 de setembro de 2012.

Brasil. (2012). Parecer CNE/CEB. nº 11/2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Ministério da Educação.

Fischer, T. (2005). Mestrado profissional como prática acadêmica. Revista Brasileira de Pós-Graduação. 2, (4). 24-29. Recuperado de: https://doi.org/10.21713/2358-3232.2005.v2.74

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P. (1967). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra.

Frigotto, G. (Org.). (2017). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. UERJ, LPP.

Galzerano, L. S. (2021). A ofensiva antigênero na sociedade brasileira. Trabalho Necessário, 19, (38), 82-104. Recuperado de: https://doi.org/10.22409/tn.v19i38.45703

Junqueira, R. D. (2009). Introdução. In: Junqueira, R. D. (Org). Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas (13-52). Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO.

Medeiros, M. S. de. (2020). Educação profissional e gênero: o mundo do trabalho sob a perspectiva dos/das estudantes LGBT do IFS. Instituto Federal de Sergipe/ProfEPT - Dissertação (Mestrado).

Moura, A. B. F., & Lima, M. da G. S. B. (2014). A reinvenção da roda: roda de conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educ., 5, (15), 24-35. Recuperado de: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/448.

Negret, F. (2008). A identidade e a importância dos mestrados profissionais no Brasil e algumas considerações para a sua avalição. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 5, (10). 217-225. Recuperado de: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2008.v.5152

Passos, P; Mendonça, A. (2021). O professor é o inimigo! Uma análise sobre a perseguição docente no brasil. Mórula, 2021.

Pereira, G. R., & Bahia, A. G. M. F. (2011). Direito fundamental à educação, diversidade e homofobia na escola: desafios à construção de um ambiente de aprendizado livre, plural e democrático. Educ. rev. 39, (4), 51-71. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000100005

Rizzatti, I. M. et al., Mendonça, A. P., Mattos, F., Rôças, Silva, G., M. A. B. V. da., Cavalcanti, R. J. de S., Oliveira, R. R. de, (2020). Os produtos e processos educacionais dos programas de pós-graduação profissionais: proposições de um grupo de colaboradores. ACTIO, 5, (2), 1-17. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.3895/actio.v5n2.12657

Sampaio, J. et al., Santos, G. C., Agostine, M., Salvador, A. de S. (2014). Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface,18, (2), 1299-1311. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0264

Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade,

, (2), 5-22.

Silva, T. T. (1999). O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Autêntica.

Thiollent, M. (2007). Metodologia da pesquisa-ação. Cortez.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31, (3), 443-466. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000300009

Zabala, A. (1998). A prática educativa. Como ensinar. Artmed.

Downloads

Publicado

27/01/2023
Métricas
  • Visualizações do Artigo 186
  • PDF downloads: 0

Edição

Seção

Dossiê