Ensino Colaborativo como apoio a inclusão escolar dos estudantes público-alvo do Atendimento Educacional Especializado nos Institutos Federais de Educação:

uma revisão sistemática

Autores

Palavras-chave:

Ensino Colaborativo. Atendimento Educacional Especializado. Institutos Federais.

Resumo

O presente estudo consiste numa Revisão Sistemática voltada a identificar na literatura o que já foi proposto em relação ao Ensino Colaborativo/Coensino como apoio à inclusão escolar dos estudantes público-alvo do Atendimento Educacional Especializado (AEE) nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia brasileiros – IFs. A metodologia adotada compreendeu a busca de trabalhos publicados entre os anos 2016 e 2021, relativos a essa temática, no repositório de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES e na base de dados digitais Google Acadêmico, utilizando os descritores “Ensino colaborativo”, “Atendimento Educacional Especializado”, “institutos federais”, “instituto federal” relacionados através do uso dos operadores boleanos AND e OR. Foram selecionados 09 estudos compreendendo artigos, tese e dissertações. Os resultados indicaram inexistência de pesquisas voltadas a investigar o Ensino Colaborativo nos IFs e escassez de estudos relacionados à atuação dos professores do Atendimento Educacional Especializado nessas instituições, tendo em vista que a função de docente AEE ou docente de Educação Especial nesses espaços educacionais é recente. Assim, as considerações finais apontam a necessidade de mais pesquisas voltadas a investigar a atuação desses docentes nos IFs e os desafios e possibilidades da implementação do Ensino Colaborativo na Educação Básica, Técnica e Tecnológica.

Biografia do Autor

Osni Oliveira Noberto da Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Graduado em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Especialista em Educação Física Escolar (FINOM), Educação Especial (UEFS), Treinamento Desportivo (FINOM). Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professor do Departamento de Ciências Humanas do Campus IV da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), onde foi Coordenador do Colegiado do curso de Licenciatura em Educação Física, Coordenador da Especialização em Atividade Física para pessoas com deficiência e Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão (NUPE). Atualmente é Diretor do Departamento de Ciências Humanas, Campus IV e professor permanente do Mestrado profissional em Educação e Diversidade. É Líder do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação Especial e Educação Física Adaptada (GEPEFA) e pesquisador do Laboratório de Avaliação e Intervenção em Atividade Motora Adaptada (LAIAMA). É Editor gerente da revista Diálogos e Diversidade (ISSN - 2764-0795). Concentra seus estudos nos seguintes temas: Políticas Públicas e Gestão em Educação, Educação Física, Esporte e Lazer; Historia Esportiva; Pesquisa e Prática Pedagógica; Fundamentos Psicológicos da Educação; Formação Profissional e Currículo; Condições de Trabalho Docente; Educação Especial, Educação Física Adaptada e Acessibilidade em espaços de Educação, Esporte e Lazer.

Referências

Borges, C. S., Ziviani, M. C. N., & Perovano, R. C. C. (2020). Atendimento Educacional Especializado no Instituto Federal do Espírito Santo: Revista Educação Especial em Debate, 5(10), 73–93. Recuperado de: https://periodicos.ufes.br/reed/article/view/32188

Capellini, V. L. M. F., & Zerbato, A. P. (2019). O que é ensino colaborativo? Edicon.

Castaman, A. S., Marques, M., & Tommasini, A. (2020). Atendimento Educacional Especializado na educação profissional e tecnológica: possibilidades e desafios a partir do uso de materiais didático-pedagógicos. Revista Valore, 5(0), 5048–5048. https://doi.org/10.22408/reva502020525e-5048.

Costa Pinto, H. H. (2017). Políticas e ações de Educação Especial e inclusão no Instituto Federal Goiano [Universidade Federal de Goiás]. Recuperado de: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10188

Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria no 555/2007, prorrogada pela Portaria no 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Brasília -Janeiro de 2008. (n.d.). Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Resolução no 4, de 2 de outubro de 2009. (2009, 02 de outubro) Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf

Lei n° 11.892, de 29 de dezembro de 2008, (2008, 29 de dezembro). Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm

Resolução n° 22, de 18 de março de 2019, resolução (2019) (Brasil). Recuperado de: https://ifbaiano.edu.br/portal/wp-content/uploads/2019/04/Resolução-22-2019.pdf

Medeiros, B. de A. (2017). O fazer pedagógico do professor de Educação Especial/AEE no Instituto Federal Farroupilha: desafios da inclusão. Recuperado de: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/13164

Monticelli, F. F., Saiter, F. Z., & Silva, A. da S. P. (2020). O trabalho colaborativo e o Atendimento Educacional Especializado aos alunos com autismo no Instituto Federal do Espírito Santo. Revista Educação Especial Em Debate, 5(10), 94–111. Recuperado de: https://periodicos.ufes.br/reed/article/view/32144

Nascimento, F. C., & Faria, R. (2013). A questão da inclusão na Rede Federalo de Educação profissional, Científica e tecnológica, a partir da Ação TEC NEP. In: F. C. do Nascimento, G. M. F. Floriano, & N. S. da Silva. (Eds.), Educação profissional e tecnológica inclusiva: um caminho em construção (pp. 13–23). Instituto Federal de educação, Ciência e tecnologia de Brasília.

Santos, F. P. (2017). Qualidade do atendimento educacional especializado: a instituição, o estudante e sua família [Universidade Católica do Salvador]. Recuperado de: http://ri.ucsal.br:8080/jspui/handle/prefix/396

Santos, J. R. (2020). Inclusão escolar e os modos de planejamento educacional individualizado nos institutos federais brasileiros. Recuperado de: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/13112.

Santos, N. P., & dos Santos, C. M. (2021). Atendimento Educacional Especializado: desafios e perspectivas na educação de jovens estudantes da Educação Básica, Técnica e Tecnológica. In: E. L. Carvalho & N. B. dos Anjos (Eds.), Assistência estudantil: as múltiplas interfaces (pp. 83–107). Appris.

Sonza, A. P., Vilaronga, C. A. R., & Mendes, E. G. (2020). Os NAPNEs e o Plano Educacional Individualizado nos Institutos Federais de Educação. Revista Educação Especial, 33, e69/ 1–24. https://doi.org/10.5902/1984686X52842.

Tillmann, L., & Almeida, J. (2020). A oferta da educação especial sob a perspectiva da educação inclusiva na educação profissional e tecnológica. Metodologias E Aprendizado, 1, 123–129. https://doi.org/10.21166/metapre.v1i0.1123

Zerbato, A. P., Vilaronga, C.A.R., Santos, J. R (2021). Atendimento Educacional Especializado nos Institutos Federais: reflexões sobre a atuação do professor de Educação Especial. Revista Brasileira de Educação Especial. V. 27, 319-336. Recuperado de: https://www.scielo.br/j/rbee/a/nccRhD3yhzFM8HwjGjvYCdv/?format=pdf&lang=pt.

Downloads

Publicado

02/06/2023
Métricas
  • Visualizações do Artigo 205
  • PDF downloads: 0

Edição

Seção

Artigos