Atravessamento de memórias: a constituição do ethos da mulher bruxa amazônica

Autores

  • Roberta Isabelle Bonfim Pantoja UFPA https://orcid.org/0000-0002-0741-4615
  • Heduarda Maria Aquino Pompeu Universidade do estado do Pará - UEPA
  • Samara Cristina Guimarães Lameira Silva UEPA/CCSE

Resumo

O seguinte artigo tem por objetivo analisar a constituição da figura da mulher bruxa amazônica – a curandeira, erveira e benzedeira – que transcende seus saberes para o ambiente urbano. Para constituir o ethos de mulher bruxa amazônica através das memórias, utilizou-se como instrumento de coleta de dados a entrevista, na qual, as cinco mulheres belenenses, entre quarenta e setenta anos, relataram suas experiências. Para tal, usou-se como aporte teórico Ehrenreich & English (1973); Maingueneau (2006); Federici (2017); Russel & Alexander (2019), entre outros. Os resultados apontam para uma perspectiva positiva, por parte das intérpretes, das práticas das benzedeiras, curandeiras e erveiras. Quando associadas ao termo bruxa amazônica observa-se a presença dos estigmas herdados da inquisição e do legado de bruxaria que recaiu sobre as mulheres.

Biografia do Autor

Roberta Isabelle Bonfim Pantoja , UFPA

Discente do Programa de Pós Graduação em Letras - Estudos Literários da Universidade Federal do Pará. Mestre em Educação, linha de Saberes Culturais pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade do Estado do Pará (UEPA,2018). Licenciada em Letras - Língua Portuguesa - Universidade do Estado do Pará (UEPA, 2012), especialista "lato-sensu" em Língua Portuguesa e Análise Literária - Universidade da Amazônia (UNAMA, 2014). Bolsista CAPES. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Makunaíma: Literatura, arte, cultura, história e sociedade na Amazônia, Brasil e América Latina do CNPq/PPGL/UFPA. Membro Núcleo de Pesquisas e Memórias Amazônicas - CUMA (UEPA).

Heduarda Maria Aquino Pompeu, Universidade do estado do Pará - UEPA

Graduada em Licenciatura Plena em Letras Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Pará (UEPA, 2020). Membro Núcleo de Pesquisas e Memórias Amazônicas - CUMA (UEPA). 

Samara Cristina Guimarães Lameira Silva, UEPA/CCSE

Graduanda em Letras com habilitação em Língua Portuguesa pela UEPA - Universidade do Estado do Pará. Integrante da Linha de Pesquisa Componentes Estilísticos do Texto Artístico do Grupo de Pesquisa em Linguagens Artísticas e Estilos Poéticos (LAESP), pertencente ao Departamento de Língua e Literatura da UEPA.

Downloads

Publicado

20/05/2021