A PRÁTICA DO SLACKLINE NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: a forma estática como possibilidade para a prática pedagógica

Autores

  • LAÍNE ROCHA MOREIRA UEPA
  • Kaio Viana Saraiva Universidade do Estado do Pará
  • Kaio Heitor Soares Alves
  • Raissa da Silva Conceição

Resumo

O Slackline é um esporte novo e vem se popularizando no Brasil atraindo vários praticantes como uma forma de trabalhar o equilíbrio, postura, corporeidade e desenvolver a capacidade motivadora de alunos. Diante disso, o presente estudo é fruto de uma revisão de literatura que objetiva analisar a prática do slackline na modalidade estática como possibilidade de ensino para as aulas de educação física escolar. A pesquisa apresenta elementos que enfatizam acerca do slackline na modalidade estática como esporte de aventura a ser desenvolvido como conteúdo na educação física escolar, partindo do pressuposto que os conteúdos da disciplina não devem limitar-se apenas na área de esportes coletivos. Conclui que slackline na modalidade estática pode ser praticado nas aulas de educação física escolar, como uma proposta inovadora a ser desenvolvida de maneira prazerosa e socioeducativa.

Biografia do Autor

LAÍNE ROCHA MOREIRA, UEPA

Graduação em Educação Física - Universidade do Estado do Pará/UEPA (2008); Especialização em Educação e Cultura: Confluências -Universidade Federal do Pará/UFPA (2010); Especialização em Metodologia do Ensino na Educação Superior - Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER (2009); Mestrado em Educação/Universidade do Estado do Pará/UEPA (2015). É professora Auxiliar da UEPA, na qual ministra as disciplinas de Pesquisa e Prática Pedagógica I, II, III, IV e Estágio Supervisionado I e II. Atua em atividades de assessoramento e gestão de projetos educativos nas áreas de esporte, cultura e lazer. Pesquisadora da linha: Formação de professores e práticas curriculares do Grupo Multidisciplinar de pesquisa em Educação, Saúde e Meio Ambiente na Amazônia. Pesquisadora do grupo de pesquisa Ressignificar - Experiências Inovadoras na Formação de Professores e Prática Pedagógica em Educação Física.

Kaio Viana Saraiva, Universidade do Estado do Pará

Graduando do Curso de Educação Física da Universidade do Estado do Pará/UEPA, campus IX Altamira

Kaio Heitor Soares Alves

Graduando do Curso de Educação Física da Universidade do Estado do Pará/UEPA, campus IX Altamira

Raissa da Silva Conceição

Graduanda do Curso de Educação Física da Universidade do Estado do Pará/UEPA, campus IX Altamira

Referências

BARTHOLDO, T. L.; ANDRADE, M. V. P. Esportes Radicais. Praticando o slackline. Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ. 2012.

BET. C. J. Inclusão de esportes radicais de ação e aventura na educação física escolar. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor PDE, 2013. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=20 . Acesso em 14/03/2018. ISBN 978-85-8015-076-6.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, 2017.

BUENO, J.M. Psicomotricidade Teoria & Prática: estimulação, educação e reeducação psicomotora com atividades aquáticas. Revista Horus, v.4, n.1 1998, São Paulo: Lovise.

CARDOZO, E. M. S.; COSTA NETO, J. V. da. Os esportes de aventura da escola: o slackline. In:

V CBAA – Congresso Brasileiro de Atividades de Aventura “Entre o urbano e a natureza: A inclusão na aventura”. Anais... São Bernardo do Campo – SP. 5 a 8 de julho de 2010.

CÁSSARO, E. R. Atividades de Aventura, aproximações preliminares na rede municipal de ensino de Maringá. Monografia. Curso de Graduação em nível de Especialização; Educação Física na Educação Básica, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

DELMIRA, T. Comparação do equilíbrio estático e dinâmico em crianças de 4 a 6 anos. Educação Física em Revista, Vol.3 No 1, 2009. Bacharelado em Educação Física do UNIEURO. Brasília/DF/Brasil.

FRANCO, L. C. P. Por que esportes de aventura na escola? In: Anais... II CBAA Congresso Brasileiro Atividades de Aventura, Governador Valadares/UNIVALE – MG 2007.

FRANCO, L. C. P. Atividades físicas de aventura na escola: uma proposta

pedagógica nas três dimensões do conteúdo. 2008. 1-136 f. Dissertação (Mestrado) Departamento de Programa De Pós-graduação Em Ciências Da Motricidade, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.

KELLER, M. et al. Improved postural control after Slackline training is accompanied by reduced H-reflexes. J. of Med. and Science in Sport, v.22, n.4, p. 471-477, 2012.

LAKATOS. E. M; MARCONI. M. A. Fundamentos de metodologia científica – 5. ed - São Paulo, SP: Atlas, 2003.

MACHADO. R. C. C. Slackline como conteúdo na educação física escolar. Brasília, DF: UNICEUB, 2014.

MARINHO, A. Atividades de aventura como conteúdo da educação física: reflexões sobre seu valor educativo http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - N° 88 - Setiembre de 2005.

NEWTON, R. A. Questões e teorias atuais sobre controle motor: avaliação de movimento e postura. In: UMPRED, D. A. Reabilitação Neurológica. 4 ed. Barueri: Manole; 2004.

SANTOS, I. S. M. Possibilidades pedagógicas do conhecimento slackline nas aulas de educação física escolar no ensino médio. UNEB. Jacobina, BA : 2014.

SANTOS, P. M.; MARINHO, A. Slackline e educação física: experiências do projeto de extensão “lazer e recreação”. Licere, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, dez. 2014.

SOUSA. R. M et al. SLACKLINE NA ESCOLA: UMA PROPOSTA PARA AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL. Campina Grande, PB: ENID, 2017.

PEREIRA, D. W.; MASCHIÃO, J. M. Primeiros passos no Slackline. Revista Digital EFDeportes, Buenos Aires, Ano 17, Nº 169, 2012.

TAHARA, K. Atividades físicas de aventura na natureza e academias de ginastica. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 03, p. 187-208, julho/setembro de 2009.

Downloads

Publicado

30/09/2020

Edição

Seção

Revisões