MORTALIDADE MATERNA: DISTRIBUIÇÃO E CAUSAS NO ESTADO DO PARÁ ENTRE OS ANOS 2012 A 2016.

Autores

  • yuka tsuchiyama yuka425ts@gmail.com
    universidade federal do pará https://orcid.org/0000-0003-3400-2955
  • Priscilla da Costa Botelho priscilla.botelho20@gmail.com
    Universidade Federal do Pará
  • Bárbara Katharine Barbosa de Miranda barbarakth@gmail.com
    Universidade Federal do Pará
  • Marilia Gabriela Queiroz da Luz gabrielaqueiroz@yahoo.com.br
    Comitê de mortalidade materna; Universidade Federal do Pará
  • Adriana Pimentel Veras adrianaveras34@yahoo.com.br
    Universidade Estadual do Pará; Secretaria Executiva de Saúde Publica

Resumo

Objetivo: Avaliar o perfil epidemiológico e as causas da mortalidade materna no Estado do Pará entre os anos 2012 a 2016. Métodos: Estudo descritivo, analítico, observacional e retrospectivo, realizado a partir de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará. Foi realizado o cálculo da Razão de mortalidade materna (RMM) bruta, por ano, município de residência e ocorrência. Além disso, foi calculada a razão de mortalidade específica relacionada às causas e relacionada às variáveis: faixa etária, escolaridade, cor/raça e estado civil. Os dados foram analisados pelo Qui-quadrado. Resultados: A amostra compreendeu 581 óbitos maternos notificados nesse período. A RMM foi de 88,77. As causas obstétricas predominaram com a hipertensão (n=135), hemorragia (n=78) e infecção (n=38). A RMM de residência foi maior no Nordeste paraense (22,50) e Região Metropolitana de Belém (20,51). A de ocorrência foi maior na Região Metropolitana de Belém (36,18). Os óbitos ocorreram com maior frequência em mulheres entre 20-24 anos (n=154), pardas (n=448), com 8 a 11 anos de estudo (n=217), união consensual (n=215) ou solteiras (n=211), durante o puerpério (até 42 dias) e com assistência médica (95%). Conclusão: Mulheres jovens, com ensino fundamental ou médio completo, solteiras ou em união consensual, pardas e que recebem assistência médica possuem maior risco de obito materno no estado do Pará. Os transtornos hipertensivos são a principal causa de morte materna.

Biografia do Autor

yuka tsuchiyama, universidade federal do pará

Médica, formada pela Universidade Federal do Pará.

Priscilla da Costa Botelho, Universidade Federal do Pará

médica formada pela UFPA

Bárbara Katharine Barbosa de Miranda, Universidade Federal do Pará

médica formada pela UFPA

Marilia Gabriela Queiroz da Luz, Comitê de mortalidade materna; Universidade Federal do Pará

mestre em cirurgia experimental pela Universidade Estadual do Pará; é médica ginecologista obstetra; é presidente do comitê de mortalidade materna; gerente da maternidade e responsável pela assistência às mulheres com doença trofoblástica gestacional; é professora assistente na UFPA e no Centro Universitário do Pará

Adriana Pimentel Veras, Universidade Estadual do Pará; Secretaria Executiva de Saúde Publica

graduação em enfermagem pela Universidade Estadual do Pará; é técnica do departamento de vigilância em saúde da Secretaria Executiva de Saúde Publica.

 

Referências

SOUZA JP. Mortalidade materna e desenvolvimento: a transição obstétrica no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia.; 35(12): 533-5. 2013.

OMS- Organização Mundial da Saúde/ WHO - World Health Organization. Global Estimates of Maternal Mortality, Statistic, Politics and Policy: Vol. 3: ISS. 2, article 3. 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2017 : uma análise da situação de saúde e os desafios para o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 3. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2009.

OMS- Organização Mundial da Saúde. Trends in Mternal Mortality: 1990-2013. Estimates by WHO,UNICEF, UNFPA, The World Bank and the United Nations Population Division. World Heal Organ. 2014. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/112682/2/9789241507226_eng.pdf?ua=1

BOTELHO NM, SILVA IFMM, TAVARES JR, LIMA LO. Causas de morte materna no Estado do Pará, Brasil. Rev Bras Ginecol e Obs. 2014, 36(7):290–5.

SANTOS DR, NOGUEIRA LMV, PAIVA BL, RODRIGUES ILA, OLIVEIRA LF, CALDAS SP. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Universidade do Estado do Pará. Belém, Pará, Brasil. Escola Anna Nery, 2017, 21(4).

NAGHAVI M, MAKELA S, FOREMAN K, O'BRIEN J, POURMALEK F, LOZANO R. Algorithms for enhancing public health utility of national causes-of-death data Population Health Metrics; 8: 9. 2010

ISHITANI LH, TEIXEIRA RA, ABREU DMX, PAIXÃO LMMM, FRANÇA EB. Qualidade da informação das estatísticas de mortalidade: códigos garbage declarados como causas de morte em Belo Horizonte, 2011-2013. Rev. bras. epidemiol., São Paulo. 2017. Vol. 20, supl. 1, p. 34-45.

AMADEI, J.L.; MERINO, C.G. Hipertensão arterial e fatores de risco em gestantes atendidas em unidade básica de saúde. Rev. Saúde e Pesquisa, Maringá. 2009. vol. 3, n. 1, p. 33-39.

FERRAZ L, BORDIGNON M. Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar. Rev Baiana Saúde Pública. 2012;36(2):527-38.

LAURENTI R, JORGE MH, GOTLIEB SL. A mortalidade materna nas capitais brasileiras: algumas características e estimativa de um fator de ajuste. RevBrasEpidemiol. 2004;7(4):449-60.

SOARES, V.M.N. et al. Mortalidade materna por pré-eclâmpsia/eclâmpsia em um estado do Sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet., Rio de Janeiro. 2009. v. 31, n. 11, p. 566-573,.

ROSENSTEIN, M.G.; ROMERO, M.; RAMOS, S. Maternal mortality in Argentina: a closer look at woman who die outside of the health system. Matern Child Health J, New York. 2008. vol. 12, n. 4, p. 519-524.

BERQUÓ E.; GARCIA S.; LIMA L. Reprodução na juventude: perfis sociodemográficos, comportamentais e reprodutivos na PNDS 2006. Rev Saúde Pública, São Paulo. 2012, vol. 46, n. 4, p. 685-693.

SILVA, HM et al. Sexualidade e risco de gravidez na adolescência: desafios de uma nova realidade pediátrica. Acta Pediatr Port, Portugal, 2012. vol. 43, n. 1, p. 8-15.

CARDOSO LM; SOUZA MMCF; GUIMARÃES RUC. Morte materna: uma expressão da “questão social”. Serv. Soc. Soc., São Paulo, 2010. vol. 102, n. 1, p. 244-268.

LEITE RMB, et al. Fatores de risco para mortalidade materna em área urbana do nordeste do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2011.vol. 27, n. 10, p. 1977-1985.

CARRENO I; BONILHA ALL; COSTA JSD. Perfil epidemiológico das mortes maternas ocorridas no Rio Grande do Sul, Brasil: 2004-2007. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, 2012. Vol. 15, n. 2, p. 396-406.

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidem_obito_materno.pdf

Downloads

Publicado

15.08.2019
Métricas
  • Visualizações do Artigo 245
  • PDF downloads: 80

Edição

Seção

Artigos Originais