TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: os brinquedos de sucatas como possibilidade de ensino

Autores

  • Maria Polyana Silva Oliveira mpolyanaoliveira@bol.com.br
    UEPA / UNINTER

Resumo

Os professores de educação física sofrem com inúmeros fatores que acabam dificultando o seu processo de ensino-aprendizagem com seus alunos. Dificuldades essas que vão desde a falta de espaço apropriado para as práticas corporais e esportivas, bem como falta de recursos materiais adequados. Cabendo ao professor muitas vezes adaptar sua aula, criar materiais alternativos através de sucatas, reinventando possibilidades de novas tecnologias para aplicar a educação física. O objetivo desta pesquisa é discutir sobre a importância dos brinquedos de sucatas nas aulas de educação física como instrumentos de ensino-aprendizagem dos educandos. Tal pesquisa possui caráter bibliográfico, qualitativo exploratório, em fontes secundárias, realizadas a partir de coletas em livros, sites especializados e artigos. O método de abordagem que foram utilizados para a elaboração desta pesquisa foi o dedutivo, o qual conforme Lakatos; Marconi (2007) têm o fim de explicar o conteúdo das premissas, e o método de procedimento utilizado foi o monográfico. Com este estudo foi possível concluir que os materiais alternativos podem ser usados pelos professores de educação física como ferramenta de trabalho. De modo que podem ser utilizados na construção de acessórios pedagógicos para atividades desportivas, como também podem ser utilizados com fim recreativo. São materiais de baixo custo, que com criatividade tornam-se essenciais, principalmente em unidades escolares carentes de recursos materiais para a disciplina.

Referências

AGUIAR, C. S. Construção de Materiais curriculares na Educação Física Escolar. X EnFEFE - Encontro Fluminense de Educação Física Escolar, 2009.

BETTI, M. Perspectivas na formação profissional. In: Gebara A, Moreira WW. Educação física & esportes: perspectivas para o século XXI. Campinas: Papirus; 1992.

BORGES, Célio José. Educação física para o pré-escolar. 6ªed. Rio de Janeiro: Sprint, 2009.

BRASIL. Decreto-lei 705/ 69, de 25 de julho de 1969. Altera a redação do artigo 22 da Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961. D.O.U. de 28.7.1969, 1969.

BROTTO, F.O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Campinas, 1999.

BRITO, J. Educação física escolar: o discurso e a prática sob o ponto de vista dos alunos de escolas “não-tradicionais”. Fortaleza, 2007. 61p. Monografia (Especialização) – Universidade de Brasília. Centro de Ensino a Distância, 2007.

BUENO, E. Jogos e brincadeiras na Educação Infantil: ensinando de forma lúdica. 42 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia). Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2010.

FARIAS FILHO, L. M.; VAGO, T. M. Entre relógios e tradições: elementos para uma história dos tempos escolares em Minas Gerais. In: VIDAL, D. G.; HILSDORF, M. L. (Orgs.) Tópicas em história da educação. São Paulo: Edusp, 2001. p. 117-136.

FREIRE, JB; SCAGLIA AJ. Educação como prática corporal. São Paulo: Scipione; 2009.

HUIZINGA, J. Homo Ludens. O jogo como elemento da cultura. São Paulo:

Perspectiva, 2005.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos e metodologia cientifica. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LOPES, S.P. Crianças confeccionam a maior parte dos brinquedos. Muitos são de sucatas, como forma de despertar a consciência ambiental e ensinar práticas sustentáveis. Disponível em:

LOPEZ, R. F. A; MELLO, A. C. R. Educação física: professor, tempos, espaços e equipamentos. EFDesportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, ano 17, nº 15. Dezembro, 2012. Disponível em: http://www.efdesportes.com/

PEREIRA, R. J. Jogos recreativos infantis: análise de uma proposta lúdica através de materiais alternativos na E.M.E.F. João Rodrigues da Silva no município de Altamira/Pa. Universidade do Estado do Pará, 2012.

PINHEIRO, D. A. A confecção de brinquedos como proposta metodológica no ensino em saúde na educação física escolar. XI semana acadêmica. Altamira-PA, 2014.

RAMOS, J. J. Os exercícios físicos na história e na arte. São Paulo: Ibrasa. 1982.

RIZZI, L; HAYDT, R. C. Atividades lúdicas na educação da criança. São Paulo: Ática, 1998.

RODRIGUES, H. A; DARIDO, S. C. As três dimensões dos conteúdos na prática pedagógica de uma professora de Educação Física com mestrado: um estudo de caso. Revista da Educação Física, v. v.19, p. 51-64, 2008.

RODRIGUES, M. Manual teórico e prático de Educação Física infantil. 6. ed. São Paulo: Ícone, 1993.

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: Novas tecnologias, trabalho e educação. Petrópolis /RJ : Vozes, 1994.

______ . Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. 3a ed.rev. Campinas: Autores Associados; 2010

SILVA, L. T. Jogos, brinquedo e brincadeiras: algumas reflexões. Saber acadêmico – nº 11 – Jun. 2011/ISSN – 1980 - 5950

SODRÉ, L. A. dos S.; GUIMARÃES, M. S. A. Educação Física. Disponível em: http://www.deguara.com.br/educacao_fisica/educacao_fisica_pagina_inicial.htm, Acesso em: 22 dez. 2008.

SOLER, R. Educação física escolar. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

SOUZA, R. F. Espaço da educação e da civilização: origens dos Grupos Escolares no Brasil. In: SOUZA, R. F.; VALDEMARIN, V. T.; ALMEIDA, J. S. O legado educacional do século XIX. Araraquara: Unesp, 1998.

VAGO, T. M. Cultura escolar, cultivo de corpos: educação physica e gymnastica como práticas dos corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte (1897-1920). 1999. Tese (Doutorado)- Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

______ . A educação física na cultura escolar: discutindo caminhos para a intervenção e a pesquisa. In: BRACHT, Valter: CRISORIO, Ricardo (coord.). A Educação Física no Brasil e na Argentina: Identidade, Desafios e Perspectivas. Rio de Janeiro: Prosul: 2003.

Downloads

Publicado

24.07.2019
Métricas
  • Visualizações do Artigo 316
  • PDF downloads: 67

Edição

Seção

Revisões