HANSENÍASE: CONHECER PARA COMBATER

Autores

  • Anthony Benny da Rocha Balieiro anthonybenny1996@outlook.com
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará. http://orcid.org/0000-0002-6152-0056 http://lattes.cnpq.br/2108607237131566
  • Gilson Guedes de Araújo Filho gilsonguedes99@hotmail.com
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará.
  • Antonio Costa dos Santos antoniocostaufpa@gmail.com
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará.
  • Lucas Tomaz de Araújo Silva medtoomaz@gmail.com
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará.
  • Igor da Silva Torres igordastorres@yahoo.com.br
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará.
  • Carla Andréa Avelar Pires carlaavelarpires@gmail.com
    Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará. http://orcid.org/0000-0002-0566-9921

Resumo

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de evolução lenta, causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, que infecta células cutâneas e nervos periféricos, que podem gerar sequelas permanentes. Possui alto poder infectante, no entanto somente algumas pessoas adoecem, pois possui baixa patogenicidade. Possui grande importância para a saúde pública, devido sua magnitude e seu alto poder de causar incapacidades na população. Dessa forma, a educação em saúde é um artificio importante para combater essa doença, uma vez que ações educativas proporcionam melhor percepção das manifestações clínicas por parte das pessoas o que estimula a busca ao diagnóstico e tratamento. Sendo assim, o presente trabalho tem o objetivo relatar as vivências de estudantes de Medicina em um projeto de extensão realizado com jovens de escolas públicas de Belém do Pará. O projeto foi realizado por meio de palestras, conversas dialogadas e pesquisa em forma de questionário para avaliar o conhecimento prévio e após as atividades. Ao final desta vivência, foi notável o quão construtivo, foram essas ações, pois as orientações transmitidas para os jovens foram capazes de diminuir o estigma e preconceito que essa enfermidade ainda carrega, bem como auxiliar na redução da disseminação dessa doença e no aumento da procura de diagnóstico precoce como um alerta para esses jovens, que serão também multiplicadores de informações em seus convívios familiares. As ações também foram de grande importância para os acadêmicos, pois contribuiu para a sua construção profissional.

Biografia do Autor

Anthony Benny da Rocha Balieiro, Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará.

Discente do curso de Medicina vinculado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará, atuando,principalmente, na área de Educação em Saúde.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8.ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Hanseníase: guia de Vigilância Epidemiológica. 7.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BYDLOWSKI, C. R.; LEFÈVRE, A. M. C.; PEREIRA, I. M. T. B. Promoção da saúde e a formação cidadã: a percepção do professor sobre cidadania. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 1771-1780, 2011. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v16n3/13.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.

MARTINS, P. V.; CAPONI, S. Hanseníase, exclusão e preconceito: histórias de vida de mulheres em Santa Catarina. Ciências e Saúde Coletiva, v.15, supp.l, p.1047-1054, 2010.

OLIVEIRA, C. B. et al. As ações de educação em saúde para crianças e adolescentes nas unidades básicas da região de Maruípe no município de Vitória. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 635-644, 2009. Disponível em :http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n6/a28.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.

RAMOS, F. P.; SANTOS, L. A. S.; REIS, A. B. C. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 11, p. 2147-2161, 2013. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102-311X2013001600003&script=sci_arttext. Acesso em: 15 fev. 2019.

SILVA, A. F. L.; RIBEIRO, C. D. M.; SILVA JÚNIOR, A. G. Pensando extensão universitária como campo de formação em saúde: uma experiência na Universidade Federal Fluminense, Brasil. Interface, Botucatu, v. 7, n. 45, p. 371-384, 2013. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832013000200010. Acesso em: 15 fev. 2019.

Downloads

Publicado

15.08.2019
Métricas
  • Visualizações do Artigo 238
  • PDF downloads: 81

Edição

Seção

Relatos de experiência