Grand Guignol de Papel: Cultura Midiática e Cultura das Bordas nos Faits-Divers

Autores

Resumo

Notícias de teor sensacionalista são familiares de gerações de leitores. Esse Théâtre du Grand Guignol de papel vem de tempos imemoriais. Foi pesquisando tais narrativas em jornais e revistas brasileiros da passagem dos séculos XIX ao XX e se perguntando qual seu lugar na economia dos periódicos impressos, que o conceito de “cultura das bordas” de Jerusa Pires Ferreira veio se juntar a outras referências para o desenvolvimento do trabalho. A definição de cultura das bordas para aquela produção impressa que não se definia pelos ditames do cânone, tampouco do folclore, caía muito bem para o fait divers que também dialogava com a cultura tradicional, mas já respondia à lógica da cultura midiática moderna. Este artigo tem como objetivo trazer à tona algumas das problemáticas relativas à análise dessas aparentemente insignificantes narrativas que são os faits divers e destacar como a obra da autora foi precursora dos estudos da cultura midiática no Brasil.

Biografia do Autor

Valéria dos Santos Guimarães, Unesp

Atua junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Unesp e (como colaboradora) Letras da mesma instituição. Foi professora visitante na Université Laval, Canadá, e pesquisadora no Centre d’Histoire Culturelle da Université de Versailles e no programa Directrice d'Études Associés da Fondation Maison des Sciences de l’Homme (2017). É autora de Notícias Diversas (2013 Mercado de Letras) e de Les Transferts culturels (L’Harmattan, 2011), entre outros.

Downloads

Publicado

03/02/2023
Métricas
  • Visualizações do Artigo 91
  • PDF downloads: 75