Imaginários afro-diaspóricos e a mitopoética amazônida dos Surrupiras

Autores

  • Diogo Jorge de Melo UFPA
  • Marcos Henrique de Oliveira Zanotti Rosi Universidade do Estado do Pará
  • Gisele Nascimento Barroso SEDUC-PA

Resumo

O artigo tem como objetivo tecer uma escrita afro-amazônida e afrodiaspórica a partir das mitopoéticas dos Surrupiras, estes encantados possuem diversas concepções simbólicas aproximadas de outros mitos, como os Curupiras, Caiporas, Sacis e Matintas. Muitas vezes chamados de caboclos bravos ou Exus da Amazônia, são representados com pele negra, cabelo crespo e pés virados para trás. Com base na discussão destes conhecimentos, o trabalho se aporta nos estudos do imaginário, principalmente os aportes discursivos de João de Jesus Paes Loureiro, somadas às concepções de giros decoloniais e colonialidades do poder, do ser e do saber, construindo um olhar reflexivo e uma escrita que busca sensibilizar, para com este contexto cultural, e combater o racismo religioso. Deste modo, reiteramos que os saberes sobre os Surrupiras fazem parte de uma vasta e luminosa constelação de saberes acerca das nossas identidades e ancestralidades africanas e indígenas.

Biografia do Autor

Marcos Henrique de Oliveira Zanotti Rosi, Universidade do Estado do Pará

Membro do Grupo de Pesquisa Culturas e memórias Amazônicas – CUMA e colaborador do Projeto de Extensão Museu Virtual Surrupira de Encantarias Amazônicas. Mestrando do curso de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Pará, com especialização em Ensino de Língua e Literaturas pela Escola Superior da Amazônia, graduado em Letras – Língua Portuguesa e Literaturas pelas Faculdades Integradas Ipiranga.

Gisele Nascimento Barroso, SEDUC-PA

Vice-coordenadora do Projeto de Extensão Museu Virtual Surrupira de Encantarias Amazônicas, docente da rede pública de ensino do estado do Pará, mestra em Educação pela Universidade Federal do Pará.

Downloads

Publicado

25/09/2021