O PORTO ALEGRE COLLEGE NO PROCESSO DE NACIONALIZAÇÃO DO ENSINO NO RIO GRANDE DO SUL: RESISTÊNCIA OU VERTICALIZAÇÃO

Autores

  • Everton Fernando Pimenta

Palavras-chave:

PAC, IPA, Oscar Machado, Nacionalização do ensino, resistência, modelo educacional metodista

Resumo

No contexto do processo de nacionalização do ensino no Rio Grande do Sul, se analisará de que forma, por meio da trajetória de Oscar Machado como reitor do Porto Alegre College, a instituição educacional lidou com as exigências impostas pelo governo para sua nacionalização ao mesmo tempo em que aprofundava o modelo educacional metodista. Recorrendo a documentos, entrevistas e a bibliografias sobre o tema, também se observará se, a exemplo de outros educandários ligados a grupos étnicos ou religiosos, se desenvolveram estratégias de resistência à sua nacionalização, se esta ocorreu completamente e quais fatores levaram a um ou outro resultado.

Biografia do Autor

Everton Fernando Pimenta

Mestre em História pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ). Doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor de História na rede municipal de educação da cidade de Lavras-MG. Este trabalho é um desdobramento da pesquisa de doutorado que conta com o apoio do CNPQ. E-mail: evertonpimenta@yahoo.com.br

Referências

ALMEIDA, Dóris Bittencourt. As marcas do novo: do Colégio Alemão ao Colégio Farroupilha: In: QUADROS, Claudemir de (Org.). Uma gota amarga: itinerários da nacionalização do ensino no Brasil. Santa Maria: Editora UFSM 2014, p. 233- 258.

BARBOSA, M. Carmen. Estado Novo e escola nova: práticas e políticas de educação no Rio Grande do Sul de 1937 a 1945. Dissertação (Mestrado em educação), UFRGS, Porto Alegre, 1987.

BASTOS, Maria Helena Câmara. A Revista do Ensino do Rio Grande Do Sul (1939 – 1942): O novo e o nacional em revista. Pelotas: Seiva, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

CAPRARA, Bernadete. Ensinar em português na escola de italianos: o processo de nacionalização do ensino em Bento Gonçalves. Dissertação (Mestrado em História), PUCRS, Porto Alegre, 2003.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editorial, S. A., 2002.

DALLABRIDA, Norberto. A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 2, maio/ago. 2009, p. 185-191.

GERTZ, René. A "nacionalização" no Rio Grande do Sul durante o Estado Novo. Anais da XI Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica. Porto Alegre: SBPH, 1992, p. 311317.

_____. Estado Novo no Rio Grande do Sul. Passo Fundo: UPF Editora, 2005a.

_____. Estado Novo no Rio Grande do Sul: educação e saúde. Anais da XXIV Reunião da SBPH. Curitiba: SBPH, 2005b, p. 521-527.

______. O Estado Novo no Rio Grande do Sul: a nacionalização. In: X Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica, 1991, Porto Alegre. Anais da X Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica. Curitiba: SBPH, 1991, p. 217-220.

FIGUEIREDO, Milene M. A nacionalização do Ginásio Teuto-Brasileiro Farroupilha: um jogo complexo de adesões e resistências (1937-1945). Dissertação (Mestrado em História), PUCRS, Porto Alegre, 2017.

GIRON, Loraine Slomp. As sombras do littorio: o fascismo na região colonial italiana do Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Educação), PUCSP, São Paulo, 1989.

GUTIERREZ, Washington. Pergunte: o IPA responde. 2ª ed. 1983.

JULIA, Dominique. A Cultura Escolar como Objeto Histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, 9-44, 2001.

KIPPER, Maria Hoppe. A campanha de nacionalização do Estado Novo em Santa Cruz (1937-1945). Santa Cruz do Sul: Apesc, 1979.

KREUTZ, Lúcio. A escola teuto-brasileira católica e nacionalização do ensino. In: MÜLLER, Telmo Lauro (Org.). Nacionalização e imigração alemã. São Leopoldo: Unisinos, 1994.

____. A educação de imigrantes no Brasil. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO; Luciano Mendes; VEIGA; Cynthia Greive (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 348-370.

LIMA, Valeska Alessandra de. Vozes que ecoam do Morro Milenar: um estudo sobre os discursos difundidos no anuário Colunas (1937-1954). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia), UFRGS, Porto Alegre, 2014.

MESQUIDA, Peri. Hegemonia norte-americana e educação protestante no Brasil. Juiz de Fora: EDUFJF; São Bernardo do Campo: Editeo, 1994.

MORAES, A. A. (org.). Eu, Vamos Escrever – Mr. Moore: educador e amigo. Livrete de depoimentos de granberyenses e admiradores de Mr. Moore. s/d.

NOVAES NETTO, Arsênio. Irineu Guimarães: a prática socialista de um educador cristão. São Paulo: Yangraf Gráfica e Editora Ltda, 2004.

OLIVEN, Arabela Campos. A Marca de Origem: comparando Colleges norte-mericanos e Faculdades brasileiras. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, maio/ago. 2005, p. 111-135.

ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

PAIVA, Cesar. Escola de língua alemã no Rio Grande do Sul, o nazismo e a política de nacionalização. Revista Educação e Sociedade, Campinas: Unicamp, v. 0, n. 26, abr. 1987, p. 5-28.

PIMENTA, Everton Fernando. A “Era Granbery”: apontamentos sobre a inserção e consolidação do Projeto Educacional Metodista em Juiz de Fora (1890-1930). Fronteiras: Revista de História, Dourados, v. 19, n. 34, jul./dez. 2017, p. 182 -206.

QUADROS, Claudemir de. Reforma, ciência e profissionalização da educação: o Centro de Pesquisas e Orientação Educacionais do Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Educação), UFRGS, Porto Alegre, 2006.

SCHROEDER, Edni Oscar. Análise da proposta educacional das escolas metodistas. Dissertação (Mestrado em Educação). Fundação Getúlio Vargas: Rio de Janeiro, 1982.

Downloads

Edição

Seção

Artigos do Dossiê